FMI: Atrasos nos pagamentos dos hospitais vão pressionar despesa em 2017

  • Marta Santos Silva
  • 22 Fevereiro 2017

As dívidas do Estado aos fornecedores dos hospitais aumentaram 93 milhões de euros 2016, algo que preocupa o Fundo Monetário Internacional na sua quinta avaliação.

Os atrasos nos pagamentos dos hospitais aos fornecedores valeram ao Governo português uma crítica do Fundo Monetário Internacional (FMI) na quinta avaliação pós-programa de resgate. O Fundo acredita que estes atrasos não só são nocivos para os privados como poderão aumentar a pressão do lado da despesa em 2017.

No documento que resume as conclusões da avaliação pós-programa do FMI, lê-se que, no campo orçamental, o aumento nos pagamentos em atraso, em especial no setor da saúde, entre janeiro e novembro de 2016 “tem um impacto adverso nos fornecedores privados e irá provavelmente fazer subir as pressões na despesa em 2017”.

Neste documento o Fundo prevê que a despesa pública aumente 0,6% em 2017, exatamente o mesmo desempenho registado em 2016, cuja estimativa representa uma revisão em alta para o dobro face ao avançado na quarta avaliação pós-programa.

Entre janeiro e novembro de 2016, os pagamentos em atraso aumentaram 176 milhões de euros face ao período homólogo, de acordo com os dados revelados em dezembro pela Direção-geral do Orçamento, em especial no caso dos hospitais EPE. O ano de 2016 fechou com 544 milhões em dívida aos fornecedores dos hospitais, o que representa um aumento de 93 milhões face a 2015 — embora os números evidenciem que foi feito um esforço acrescido para saldar dívidas em dezembro, os valores permanecem elevados.

No documento da avaliação pós-programa o FMI destaca as justificações do Governo, que considerou que a larga adesão ao PERES “seria mais do que suficiente para contrabalançar quaisquer pressões adicionais na despesa e também ajudariam a reduzir os atrasos que se acumularam no setor da saúde“.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FMI: Atrasos nos pagamentos dos hospitais vão pressionar despesa em 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião