Hospitais aumentam volume de pagamentos em atraso

Em outubro de 2015 havia menos 312 milhões de pagamentos em atraso no setor da saúde. De setembro para outubro deste ano, os hospitais acrescentaram mais 47 milhões de euros em atraso.

Os hospitais que pertencem ao Estado continuam a aumentar o volume total de dívidas por pagar há mais de 90 dias, ou seja, pagamentos em atraso. As entidades públicas do Serviço Nacional de Saúde agravaram em 50 milhões o valor de pagamentos em atraso do SNS de setembro para outubro. O valor consta do relatório de Síntese de Execução Orçamental relativo a outubro de 2016 divulgado esta quinta-feira pela Direção Geral do Orçamento (DGO).

“Os pagamentos em atraso das entidades públicas situaram-se em 1.161 milhões de euros no final de outubro, representando um aumento de 13 milhões de euros face ao mês anterior. Esta evolução é essencialmente explicada pelo aumento no SNS (50 milhões de euros), em parte compensado pela diminuição na Administração Local (-39 milhões de euros)”, refere a DGO no secção do relatório dedicado aos pagamentos em atraso.

Dos 50 milhões de euros, 47 milhões referem-se a um agravamento dos pagamentos em atraso, de setembro para outubro, nos hospitais do setor empresarial do Estado (Hospitais EPE). Os restantes três milhões são relativos ao subsetor da saúde.

No total do ano até outubro, os pagamentos em atraso chegaram aos 758 milhões de euros. Em 2015, também até outubro, o valor era de 451 milhões de euros. Ou seja, a execução orçamental do presente Governo agravou os pagamentos em atraso na saúde em 312 milhões de euros.

Apesar de os números serem negativos para o setor da saúde, o valor global de pagamentos em atraso até outubro é de 1.161 milhões de euros. Em relação a 2015, o volume total 147 milhões de euros, beneficiando dos contributos positivos de menos pagamentos em atraso da administração local, como explicava a nota da DGO.

Segundo a DGO, o conceito de pagamentos em atraso refere-se a “contas por pagar que permaneçam nessa situação mais de 90 dias posteriormente à data de vencimento acordada ou especificada na fatura, contrato, ou documentos equivalentes”.

Em agosto, por causa da execução orçamental até julho, a Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), apesar de ter reconhecido que o stock de pagamentos em atraso tinha aumentado, argumentou que a comparação homóloga encontra-se influenciada pelas sucessivas injeções extraordinárias de fundos realizadas em 2015, as quais atingiram ao longo do ano cerca de 403 milhões de euros.

Na mesma nota, a ACSS afirmava que a despesa estava controlada nas aquisições de bens e serviços, assim como nos encargos com pessoal.

Editado por Mariana de Araújo Barbosa (mariana.barbosa@eco.pt)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hospitais aumentam volume de pagamentos em atraso

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião