Startups britânicas temem o Brexit. As gigantes, nem por isso

Angariação de capital, contratação de funcionários não-britânicos e desafios do acesso ao mercado europeu. São algumas das preocupações de empreendedores que aguardam o Brexit com muita ansiedade.

As gigantes tecnológicas parecem confiantes num Reino Unido pós-Brexit, mas muitos responsáveis por startups entram agora em estado de ansiedade. É uma conclusão que, de acordo com a Bloomberg, faz parte de um estudo da unidade londrina do Silicon Valley Bank, divulgado esta terça-feira. O banco de investimento, com sede na Califórnia, inquiriu 940 executivos britânicos e de outras nacionalidades. E descobriu que os empreendedores já se estão a preparar para os desafios da saída do Reino Unido da União Europeia (UE).

Os principais receios prendem-se com a angariação de capital, contratação de funcionários de nacionalidades que não a britânica e desafios do acesso ao mercado europeu, escreve a agência, com base no inquérito. Além disso, menos de metade acredita que este ano vá ser melhor do que 2016 e mais de um quinto das startups tecnológicas britânicas prevê abrir escritórios em países da União Europeia. Uma em cada dez está a considerar mudar-se para território continental europeu.

Contudo, as gigantes tecnológicas não parecem partilhar dos mesmos receios, na medida em que tanto a Snap Inc. como a Apple e o SoftBank escolheram Londres como o polo para desencadear novas operações. O regime regulatório favorável e o panorama de empreendedorismo vibrante da capital do Reino Unido deverá permitir que o país se mantenha como o maior hub tecnológico da Europa por mais algum tempo, explicou à agência o responsável pelo banco que conduziu o estudo, Phil Cox.

"Não estou a dizer que vai ser mais fácil, mas estas companhias são bastante disruptivas e irão encontrar uma forma de empregar as pessoas certas e de vender os produtos e serviços além fronteiras.”

Phil Cox

Presidente do Sillicon Valley Bank

A saída do Reino Unido da UE deverá ser desencadeada já em março e os dados relativos a 2016 evidenciam uma queda de 34% nos investimentos de capital de risco em startups tecnológicas do setor financeiro (fintech) no país. Em contrapartida, as homólogas alemãs angariaram 35% mais capital do que as britânicas nos primeiros três trimestres de 2016, um fenómeno que se registou pela primeira vez.

O chamado hard brexit, que significa um desvinculo total de Bruxelas, foi o estilo escolhido pela primeira-ministra Theresa May para materializar o referendo que deu vitória ao “Sair” no referendo público do ano passado. E à agência Bloomberg, Jennifer Arcuri, fundadora da startup britânica Hacker House, deu voz ao sentimento de muitos empreendedores neste momento: “Sair do mercado único vai brutalizar a nossa cultura de startup. Gerir uma startup já é difícil que chegue, nós não precisamos de mais este fardo.”

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Startups britânicas temem o Brexit. As gigantes, nem por isso

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião