Está a chover dinheiro no SoftBank. Mas porquê?

Começou como uma empresa de software, mas hoje é um império. O SoftBank está a preparar o maior fundo de investimento em tecnologia de sempre, de 100 mil milhões de dólares.

O SoftBank juntou 100 mil milhões de dólares e criou o maior fundo de investimento do setor da tecnologia.MIKI Yoshihito/Flickr

O desenvolvimento tecnológico exige investimento. Nos últimos anos, algumas das maiores empresas do setor têm apostado na aquisição de firmas de menor tamanho, uma estratégia que passa por incorporar desde cedo muita da inovação construída com esforço pelas startups. Porém, no final de 2016, as atenções voltaram-se para uma empresa: o SoftBank.

Liderado pelo multimilionário japonês Masayoshi Son, o SoftBank nasceu em setembro de 1981 como uma empresa de distribuição de software. Porém, com os anos, tornou-se num autêntico império com ramificações nos setores das telecomunicações e dos serviços distribuídos pela internet, somando ainda investimentos em empresas de tecnologia na Europa, Estados Unidos e Ásia. Na carteira, empresas como a gigante chinesa do comércio Alibaba e a telecom norte-americana Sprint.

Isso leva-nos de volta ao primeiro parágrafo. Porque, em outubro, Masayoshi Son anunciou a criação de um novo fundo de investimento, o “Vision Fund”, focado no desenvolvimento de tecnologias de ponta nas áreas da inteligência artificial, robótica e internet das coisas. A surpreendente meta dos 100 mil milhões de dólares foi estabelecida, o que o tornou no maior investidor do mundo em tecnologia ao longo da próxima década, garantiu a empresa de Masayoshi Son. Não o fez por menos.

Da parte do SoftBank, uma promessa de alocação de pelo menos 25 mil milhões de dólares para o “Vision Fund” ao longo de cinco anos. Isto em parceria com fundo de investimento público da Arábia Saudita, que planeia injetar outros 45 mil milhões de dólares no mesmo período. Estávamos em outubro.

De olhos postos no fundo

Subitamente, a iniciativa do SoftBank despertou interesse no setor. Companhias tecnológicas de maiores dimensões começaram a ponderar entrar com investimentos, e vários nomes têm vindo ao de cima. Uma das primeiras foi a taiwanesa Foxconn, fornecedora da Apple, que já assumiu estar interessada em investir nos Estados Unidos. Outra foi a Qualcomm, a fabricante de processadores e principal concorrente da Intel. Mas é só o começo.

Já em janeiro, soube-se que a própria Apple estaria a ponderar juntar-se ao “Vision Fund”, num movimento pouco comum para a criadora do iPhone. Escreve a Reuters que a empresa de Tim Cook já confirmou um investimento de mil milhões de dólares no fundo do SoftBank. Outro nome que surpreendeu foi o de Larry Ellison, fundador da Oracle, a dona da Java, o que permitiu ao empresário Masayoshi Son atingir a meta dos 100 mil milhões de dólares várias semanas antes do previsto, de acordo com o Finantial Times.

Na rampa de lançamento

Segundo o The New York Times, o fundo do SoftBank entrará no ativo perto do final de janeiro. Além de Masayoshi Son, terá à cabeça Rajeev Misra, ex-especialista do Merril Lynch e um dos criadores da divisão de mercados do Deutsche Bank, e Akshay Naheta, ex-trader do banco alemão e fundador da firma de investimentos Knight Assets que, no início de dezembro, lançou outro fundo no valor de 500 milhões de dólares para aplicar em empresas de média dimensão, refere a Bloomberg.

A equipa terá cerca de 100 pessoas no total e os veteranos do Deutsche Bank já se estão a instalar nos novos escritórios em Mayfar, Londres. Alegadamente, têm chovido currículos, pedidos de investimento e questões de banqueiros e advogados. Contudo, ainda que se preveja que parte dos investimentos possa vir a ser aplicada em pequenas empresas e startups, o “Vision Fund” estará antes focado em investimentos em grandes companhias e projetos, nos mercados público e privado.

É o que se sabe, para já, do ambicioso projeto do SoftBank. De resto, deverá seguir a política de crescimento que faz parte da visão de Masayoshi Son — ou seja, quando investir ou adquirir participações em empresas, não deverá proceder a despedimentos em massa. Son, que já reuniu com Donald Trump, prometeu ao presidente eleito a criação de 50 mil postos de trabalho nos Estados Unidos e 50 mil milhões de dólares de investimento. Por fim, de referir que a principal vantagem do “Vision Fund” será o foco no longo prazo. É que os investidores que o compõem só esperam reaver o dinheiro daqui a 12 anos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Está a chover dinheiro no SoftBank. Mas porquê?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião