Angola quer ajuda das empresas espanholas para mudar modelo económico

  • Lusa
  • 27 Fevereiro 2017

Ministro das Finanças de Angola pediu a representantes de 70 empresas espanholas ajuda no processo em curso de mudança de modelo económico baseado na dependência do petróleo.

O ministro das Finanças de Angola pediu hoje em Madrid aos representantes de 70 empresas espanholas ajuda no processo em curso de mudança de modelo económico e produtivo até agora baseado na dependência em petróleo.

“Atualmente, estamos em plena adaptação para um novo paradigma económico”, disse Archer Mangueira, citado numa nota à imprensa difundida pelo Ministério da Economia espanhola.

O ministro angolano acrescentou que o país está em “plena adaptação para um novo paradigma económico”, que ainda “depende da exportação de petróleo” e que, mesmo que o preço deste produto tenha “recuperado nos últimos meses”, Luanda sabe que não haverá um regresso “à situação anterior”.

Para levar a cabo a adaptação desejada, Archer Mangueira explicou a mais de 70 empresas presentes que o seu Governo “conta com as empresas espanholas para fazer que Angola volte a ser um país multi exportador”, segundo a nota de imprensa.

Angola manifestou a sua necessidade de “alterar o atual modelo económico e produtivo para acabar com a sua dependência no petróleo”, e para isso necessita de “investimento estrangeiro nos setores que considera serem estratégicos”, como são as infraestruturas, energias renováveis, saúde, novas tecnologias ou agroalimentar.

Por seu lado, o presidente do Banco de Desenvolvimento de Angola, Manuel Neto Da Costa, também citado na nota de imprensa, sublinhou a estratégia posta em marcha pelo Governo angolano para regularizar a dívida que Angola tem com as empresas espanholas.

“O nosso compromisso é pagar a dívida que está certificada, porque queremos criar boas expectativas para as empresas espanholas”, concluiu.

A secretária de Estado do Comércio espanhola, Maria Poncela, destacou o esforço que o Governo angolano tem levado a cabo com medidas de contenção da despesa pública e da despesa pública e lembrou as medidas que Madrid põe à disposição das empresas do país para cofinanciar projetos de investimento em Angola.

O presidente Confederação Espanhola de Confederações Empresariais, José María Lacasa, recordou que atualmente há cerca de 50 empresas espanholas a trabalhar em Angola, o segundo destino mais importante dos investimentos espanhóis na África subsaariana.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Angola quer ajuda das empresas espanholas para mudar modelo económico

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião