E o Óscar vai para… os serviços de streaming

  • Juliana Nogueira Santos
  • 27 Fevereiro 2017

A Netflix e a Amazon foram duas das grandes vencedoras da cerimónia dos Óscares, tendo conquistado quatro das dez categorias para as quais estavam indicadas.

Se a 89ª edição dos Óscares foi dominada pelo musical de Damien Chazelle, “La La Land”, pelas críticas diretas às políticas de Trump — não esquecendo o acontecimento inédito da troca de envelopes que levou a que “La La Land” fosse erradamente anunciado como o vencedor da mais importante estatueta da noite –, houve um grupo a destacar-se pela positiva: os serviços de streaming.

A Netflix e a Amazon têm conseguido ganhar terreno na criação de conteúdos originais, mas esta nova abordagem chamou à atenção da Academia este ano. Em conjunto, os dois serviços de streaming contavam com dez nomeações, com a Amazon a ver “Manchester by the Sea” indicado para seis estatuetas, entre elas “Melhor Filme”, “Melhor Realizador” e “Melhor Ator Principal”, e “The Salesman” a ser nomeado para “Melhor Filme Estrangeiro”.

Da parte da Netflix, o formato de documentário foi o preferido pelos membros da Academia. “13th” estava indicado para “Melhor Documentário” e “Extremis” e “White Helmets” para “Melhor Curta Documental”. Assim, a Amazon acabou por levar para casa três Óscares e a Netflix um.

O presidente da Amazon, Jeff Bezos, esteve presente na cerimónia e foi interpelado pelo apresentador, Jimmy Kimmel, que afirmou que, caso a sua empresa ganhasse alguma estatueta, iria ser entregue em dois a cinco dias úteis, tal como as encomendas feitas no portal da Amazon.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

E o Óscar vai para… os serviços de streaming

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião