Regiões em Portugal são pouco competitivas

A generalidade das regiões de Portugal apresenta índices de competitividade muito fracos. Lisboa é a única com um lugar na primeira metade da tabela da UE (139º). Londres ocupa o primeiro lugar.

A generalidade das regiões de Portugal apresenta índices de competitividade muito fracos, sendo a região de Lisboa a única com um lugar na primeira metade da tabela da União Europeia (139º), revela um relatório hoje publicado pela Comissão Europeia.

A terceira edição do “Índice de competitividade regional”, publicado de três em três anos, abrange as 263 regiões da União Europeia e coloca a região de Lisboa na 139ª posição (com 54,5 pontos numa escala até 100), o Centro em 191º lugar (35,1 pontos), o Algarve em 201º (31,9), o Norte em 203º (31,3), o Alentejo em 211º (29,7), a Madeira em 223º (25,2) e os Açores na 234ª posição (16,7).

Lisboa é a região mais competitiva

Fonte: Comissão Europeia. Valores posições num ‘ranking’ de 263 regiões

Entende-se por “competitividade regional” a capacidade de uma região para oferecer um ambiente atraente e sustentável às empresas e aos residentes para aí viverem e trabalharem, e a Comissão aponta que, “mais uma vez, se constata a existência de um modelo policêntrico, em que as capitais e as zonas metropolitanas são os principais motores da competitividade”, como sucede em Portugal.

A classificação das regiões é feita a partir de três dimensões: Básica, Eficiência e Inovação, que por sua vez são compostas por diversos indicadores.

Em termos globais o relatório revela que Londres é a região mais competitiva de toda a Europa, um desempenho justificado pelo primeiro lugar ao nível da Eficiência (um indicador construído a partir da análise de três variáveis: ensino superior e aprendizagem ao longo da vida; eficiência do mercado de trabalho e dimensão do mercado).

A segunda posição é ocupada em ex-aequo por outra região britânica, Berkshire, e a holandesa Utrecht. Esta última regista a primeira posição ao nível da dimensão básica, construída a partir da análise das Instituições, estabilidade macroeconómica, infraestruturas, saúde e educação básica). Já Berkshire cai para a 42ª posição na dimensão básica mas sobre para a segunda nas dimensões Eficiência e Inovação.

Entre as regiões mais competitivas estão: Estocolmo (4º), na Suécia; Surrey, East and West Sussex (5º), no Reino Unido, Hovedstaden (6º), na Dinamarca; Luxemburgo (7º); ou Île de France (8º); Oberbayern (9º), na Alemanha ou Hampshire and Isle of Wight (10º), também no Reino Unido.

Londres é a região mais competitiva da Europa

Fonte: Comissão Europeia. Valores posições num ‘ranking’ de 263 regiões

Na edição de 2016 deste índice, a Comissão disponibiliza uma ferramenta de Internet interativa que permite efetuar uma análise mais detalhada das regiões e uma comparação pormenorizada, podendo os utilizadores ver agora mais facilmente a situação da sua região em termos de inovação, governança, transportes, infraestruturas digitais, saúde ou capital humano.

De acordo com a Comissão, esta ferramenta foi também concebida “para ajudar as regiões a identificar os seus pontos fortes, os seus pontos fracos e as prioridades de investimento, aquando do processo de definição das suas estratégias de desenvolvimento”.

“Este índice é um instrumento precioso, que permitirá melhorar a definição das políticas. Reforça os esforços da Comissão para apoiar as reformas estruturais e estimula as capacidades de inovação das regiões da EU [União Europeia], através dos investimentos ao abrigo da política de coesão”, comentou a comissária da Política Regional, Corina Cretu.

A responsável sublinhou que, uma vez que cada região é um caso único, é prestado “um apoio individualizado, dotando as regiões da capacidade e da ajuda necessárias para tirarem partido dos seus pontos fortes e recursos”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Regiões em Portugal são pouco competitivas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião