Vendas mundiais de arte em leilão caíram 22% em 2016

  • Lusa
  • 27 Fevereiro 2017

Os leilões de arte em todo o mundo totalizaram 12,5 mil milhões de dólares (11,8 mil milhões de euros). É uma quebra de 22% face a 2015. A China voltou a ser o maior mercado.

As vendas mundiais de arte em leilão diminuíram 22% em 2016, enquanto a China recuperou o seu estatuto de maior mercado, segundo o relatório anual da Artprice, uma plataforma internacional de informação sobre leilões.

De acordo com os dados da Arprice, no ano passado, os leilões de arte em todo o mundo totalizaram 12,5 mil milhões de dólares (11,8 mil milhões de euros), menos 22% face a 2015.

A maior base de dados de preços e vendas de arte do mundo, que trabalha com o parceiro chinês Artron, atribuiu a queda à forte diminuição do número de obras avaliadas em mais de 10 milhões de dólares – que caiu de 160 em 2015 para 80 em 2016.

A China conquistou o maior número de vendas e “estabeleceu-se claramente como a superpotência” do mundo da arte, refere o relatório anual da Artprice.

Depois de cinco anos de domínio, o gigante asiático perdeu o título como maior mercado de arte para os Estados Unidos em 2015, o qual recuperou no ano passado, com o registo de 4,8 mil milhões de dólares em leilões.

Esse número representa mais de um terço (38%) do total de vendas em leilões em todo o mundo, indicou a Artprice, que compilou os dados com a sua firma parceira, a Artron, da China.

A cidade de Nova Iorque manteve-se como indiscutível capital dos leilões de arte, absorvendo vendas de 3,2 mil milhões de dólares, seguindo-se Pequim (2,3 mil milhões de dólares) e Londres (2,1 mil milhões).

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Vendas mundiais de arte em leilão caíram 22% em 2016

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião