S&P mantém rating da CGD. Só sobe com mais detalhes do aumento de capital

A S&P manteve a classificação da dívida do banco estatal em "lixo". Admite subir o rating, mas só o fará quando houver maior clareza quanto ao processo de recapitalização.

A Standard & Poor’s (S&P) classifica a dívida da Caixa Geral de Depósitos (CGD) de “lixo”, mas admite vir a subir a notação atribuída ao banco liderado por Paulo Macedo no âmbito do processo de recapitalização. Só não o faz já, antecipado o impacto positivo da operação, porque diz que precisa de ter maior visibilidade sobre como este será feito.

“A primeira fase da recapitalização da CGD foi concluída no arranque de janeiro“, nota a S&P. Nesta primeira fase foi feita a conversão dos CoCo’s — obrigações subordinadas de conversão contingente — em capital avaliados, em 945 milhões de euros, mas também com a entrada da totalidade da Parcaixa para o balanço do banco público, o que permitirá um encaixe de ativos no valor de 500 milhões.

Fica por completar a segunda fase: em causa está um aumento de capital até 2,7 mil milhões de euros através de dinheiros públicos, a que se somam mais mil milhões de privados.

“O montante final da recapitalização, a altura em que será feita essa injeção e o uso que será dado a esse valor ainda estão por definir“, diz a agência de notação financeira que manteve o rating da CGD em “BB-“, ou seja, em nível de “lixo” — precisa de subir em três níveis para passar a nível de investimento (“BBB-“).

Além disso, diz a S&P, “a Comissão Europeia ainda não deu a sua aprovação formal à injeção”. E “esta injeção final está também dependente da estratégia da nova administração, que assumiu funções a 1 de fevereiro, relativamente à capitalização do banco”, salienta.

Só “quando tivermos maior visibilidade sobre estes pontos, estaremos em posição de avaliar as implicações nos rácios da CGD”, diz a S&P, acrescentando que acredita que deste processo poderá resultar “uma subida em um nível ou na confirmação do nosso rating”. Por agora, a notação fica inalterada, mas a perspetiva também: está positiva, sinalizando essa potencial revisão em alta.

(Notícia atualizada às 17h09 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

S&P mantém rating da CGD. Só sobe com mais detalhes do aumento de capital

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião