Empresas da periferia da Zona Euro deverão emitir 18 mil milhões em dívida lixo

Empresas da periferia da Zona Euro, inluindo Portugal, deverão emitir mais de 18 mil milhões de euros em obrigações consideradas lixo em 2017, ano de normalização do mercado de alto rendimento.

As empresas da periferia da Zona Euro deverão emitir mais de 18 mil milhões de euros em dívida de elevado grau especulativo (considerada “lixo”) ao longo de 2017, uma evolução que marca a normalização do mercado de obrigações empresariais de alto rendimento depois da queda em 2015, diz a Moody’s.

“A procura por rendimentos num ambiente de juros em mínimos históricos e de modesta atividade de fusões e aquisições vai marcar o ritmo de emissões em 2017″, refere Pieter Rommens, vice-presidente da Moody’s. “Contudo, receios económicos e instabilidade política em Itália e Espanha, a sustentabilidade da dívida pública da Grécia e riscos resultantes das eleições em França, Holanda e Alemanha poderão pressionar as emissões”, explica aquele analista.

As necessidades de refinanciamento de grandes empresas na periferia do bloco da moeda única, que inclui Portugal, Espanha, Itália, Grécia e Irlanda, deverão contribuir para o elevado volume de dívida de alto rendimento que será emitido este ano.

"A procura por rendimentos num ambiente de juros em mínimos históricos e de modesta atividade de fusões e aquisições vai marcar o ritmo de emissões em 2017. Contudo, receios económicos e instabilidade política em Itália e Espanha, a sustentabilidade da dívida pública da Grécia e riscos resultantes das eleições em França, Holanda e Alemanha poderão pressionar as emissões.”

Pieter Rommens

Vice-presidente da Moody's

Poderão destacar-se a Fiat Chrysler, a Wind, Ardagh Packaging e Telecom Italia como repetentes num ano que deverá manter-se fraco ao nível de estreantes na emissão de obrigações com elevado grau de risco atribuído pela Moody’s.

A agência nota ainda que dificilmente o mercado terá um nível de emissões igual ao de 2014, em que alcançou um recorde de 30 mil milhões de dólares (aproximadamente 28,4 mil milhões de euros), por quatro razões:

  • Os chamados empréstimos covenant-lite estão a tornar-se uma alternativa mais atrativa para obrigações de alto rendimento na Europa;
  • Persistem preocupações em torno das reformas estruturais e da consolidação orçamental em todos os países da periferia, com exceção da Irlanda;
  • As perspetivas de crescimento da Moody’s para a emissão global de rendimento elevado da EMEA são moderadas, na melhor das hipóteses;
  • O mercado primário de títulos permanece volátil.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresas da periferia da Zona Euro deverão emitir 18 mil milhões em dívida lixo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião