Empresas da periferia da Zona Euro deverão emitir 18 mil milhões em dívida lixo

Empresas da periferia da Zona Euro, inluindo Portugal, deverão emitir mais de 18 mil milhões de euros em obrigações consideradas lixo em 2017, ano de normalização do mercado de alto rendimento.

As empresas da periferia da Zona Euro deverão emitir mais de 18 mil milhões de euros em dívida de elevado grau especulativo (considerada “lixo”) ao longo de 2017, uma evolução que marca a normalização do mercado de obrigações empresariais de alto rendimento depois da queda em 2015, diz a Moody’s.

“A procura por rendimentos num ambiente de juros em mínimos históricos e de modesta atividade de fusões e aquisições vai marcar o ritmo de emissões em 2017″, refere Pieter Rommens, vice-presidente da Moody’s. “Contudo, receios económicos e instabilidade política em Itália e Espanha, a sustentabilidade da dívida pública da Grécia e riscos resultantes das eleições em França, Holanda e Alemanha poderão pressionar as emissões”, explica aquele analista.

As necessidades de refinanciamento de grandes empresas na periferia do bloco da moeda única, que inclui Portugal, Espanha, Itália, Grécia e Irlanda, deverão contribuir para o elevado volume de dívida de alto rendimento que será emitido este ano.

"A procura por rendimentos num ambiente de juros em mínimos históricos e de modesta atividade de fusões e aquisições vai marcar o ritmo de emissões em 2017. Contudo, receios económicos e instabilidade política em Itália e Espanha, a sustentabilidade da dívida pública da Grécia e riscos resultantes das eleições em França, Holanda e Alemanha poderão pressionar as emissões.”

Pieter Rommens

Vice-presidente da Moody's

Poderão destacar-se a Fiat Chrysler, a Wind, Ardagh Packaging e Telecom Italia como repetentes num ano que deverá manter-se fraco ao nível de estreantes na emissão de obrigações com elevado grau de risco atribuído pela Moody’s.

A agência nota ainda que dificilmente o mercado terá um nível de emissões igual ao de 2014, em que alcançou um recorde de 30 mil milhões de dólares (aproximadamente 28,4 mil milhões de euros), por quatro razões:

  • Os chamados empréstimos covenant-lite estão a tornar-se uma alternativa mais atrativa para obrigações de alto rendimento na Europa;
  • Persistem preocupações em torno das reformas estruturais e da consolidação orçamental em todos os países da periferia, com exceção da Irlanda;
  • As perspetivas de crescimento da Moody’s para a emissão global de rendimento elevado da EMEA são moderadas, na melhor das hipóteses;
  • O mercado primário de títulos permanece volátil.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresas da periferia da Zona Euro deverão emitir 18 mil milhões em dívida lixo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião