Novo iPhone deverá ter ecrã curvo OLED

O The Wall Street Journal garante que uma das versões do próximo iPhone, a que assinalará o décimo aniversário do produto, deverá incluir um ecrã curvo OLED fornecido pela Samsung.

A Apple pode nem estar presente no Mobile World Congress, a maior feira tecnológica de dispositivos móveis, atualmente a decorrer em Espanha. Mas Barcelona acordou esta manhã com o The Wall Street Journal a garantir que o próximo iPhone terá um ecrã curvo OLED. Com o produto a completar uma década de existência, o lançamento deste outono deverá ser em grande.

As fontes conhecedoras do jornal norte-americano indicam que Tim Cook já decidiu: um dos modelos do novo iPhone, a edição comemorativa dos dez anos, terá um ecrã bastante melhorado e custará 1.000 dólares. Integrar a tecnologia OLED significará, para os fãs da marca, cores muito vivas e menos consumo de energia. São rumores, atenção. Mas a vasta rede de fornecedores da Apple torna difícil manter qualquer segredo.

Outros dois modelos deverão ser lançados pela marca, mas com ecrãs LCD. Não existem muitas empresas a produzir ecrãs OLED, pelo que, de acordo com o site de tecnologia Engadget, que cita o jornal norte-americano, deverá ser uma subsidiária da Samsung (sim, leu bem) a principal fornecedora dos ecrãs para a edição de aniversário. A LG e a Japan Display, duas outras fornecedoras da tecnologia, não terão capacidade para fabricar na velocidade e quantidade pedidas pela marca da maçã antes de 2018.

Existem já várias marcas a integrar ecrãs OLED nos seus telemóveis, sendo a esmagadora maioria em telemóveis Android. Nesta edição do MWC, a própria Samsung, por exemplo, lançou um tablet, o Galaxy Tab S3, com ecrã AMOLED. Já o LG G6 e o Huawei P10 incluem cores mais naturais, ambos com ecrãs IPS, uma tecnologia semelhante à dos ecrãs dos telemóveis da Apple. O foco da tecnologia OLED para a LG está, antes, nas televisões, enquanto a Huawei tem outros modelos com tecnologia OLED — nomeadamente o Mate S, lançado em 2015.

O ECO viajou para Barcelona a convite da Huawei Portugal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo iPhone deverá ter ecrã curvo OLED

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião