Próximo iPhone poderá ser mais caro. Mas com ecrã curvo

A Apple poderá lançar um iPhone com ecrã curvo e tecnologia OLED no próximo ano, mas mais caro do que o habitual. Produção poderá ser um problema, mas a marca está a testar dez protótipos diferentes.

O iPhone 8, que deverá ser lançado no outono do próximo ano, poderá custar mais do que o habitual. Segundo avançou o The Wall Street Journal esta segunda-feira, a Apple estará a testar mais de dez protótipos do telemóvel — e com um ecrã curvo.

Para tal, a marca já terá pedido aos fornecedores para aumentarem a produção de ecrãs OLED, uma tecnologia que, caso chegue ao iPhone, permitirá ecrãs com cores mais naturais e profundas, assim como maiores resoluções do que as dos atuais telemóveis da Samsung, escreve o jornal. É, no entanto, mais cara do que a atual.

A tecnologia já foi adotada por fabricantes como LG, Google, Xiamoi e a própria Samsung, uma das fornecedoras da marca liderada por Tim Cook. Recorde-se que em meados de novembro, a Bloomberg avançou que os atuais produtores da tecnologia poderão não conseguir corresponder à procura, o que poderá levar a Apple a lançar só uma versão do iPhone com ecrã OLED ou, em último caso, a desistir, por agora, da tecnologia.

Isso explica-se ainda pelo facto de a Apple e a Samsung concorrerem diretamente no mercado dos smartphones, o que tem levado Tim Cook a diversificar a lista de fornecedores. A LG, a Japan Display e a Sharp compõem a lista, mas, frisa o The Wall Street Journal, têm capacidades de produção bastante inferiores à Samsung.

No entanto, é provável que a Apple avance para integração dos ecrãs OLED nos iPhones, que são melhores do que a tecnologia LCD atualmente usada. A marca está sob pressão para desenvolver um telemóvel que realmente convença os fãs no ano que vem: o iPhone assinala dez anos em 2018 e o iPhone 7, lançado este ano, não trouxe grandes novidades ao nível do design e das funcionalidades.

De acordo com o The Wall Street Journal, os contratos assinados neste campo entre a Apple e os fornecedores de ecrãs OLED poderá, a longo prazo, dar um novo e forte impulso ao segmento. Atualmente, segundo o jornal, algumas empresas deste setor não têm tido boas performances ao nível das contas.

O mercado de ecrãs OLED deverá superar o dos ecrãs LCD em receitas já no próximo ano, valendo 18,6 mil milhões e dólares. Em 2015, o mercado LCD gerou 20,8 mil milhões de dólares, contra os 10,6 mil milhões gerados pelos ecrãs OLED, segundo dados da IHS Markit, citados pelo jornal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Próximo iPhone poderá ser mais caro. Mas com ecrã curvo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião