Brigas Afonso diz desconhecer falhas informáticas

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 3 Março 2017

Brigas Afonso assumiu a liderança da AT em julho de 2014, cargo que ocupou durante nove meses. Está a ser ouvido no Parlamento, a propósito das transferências para 'offshores' sem vigilância do Fisco.

O antigo diretor-geral da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) Brigas Afonso diz que nunca teve conhecimento de “falhas informáticas” e afirma que a grande preocupação do Executivo na altura em que estava em funções era o e-fatura.

Brigas Afonso passou a liderar a AT em julho de 2014 e esteve nove meses no cargo, demitindo-se na sequência do escândalo da “lista VIP”. Está a ser ouvido na comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa relativamente aos quase dez mil milhões de euros de transferências para o Fisco entre 2011 e 2014 que fugiram ao controlo da máquina. Por esta comissão já passou Paulo Núncio, antigo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, e Rocha Andrade, que ocupa atualmente esse lugar e que já apontou para uma falha informática.

Em resposta ao deputado social-democrata Duarte Pacheco, Brigas Afonso explicou que não tinha, na altura, um subdiretor-geral para a área da informática, mas acrescentou: “Não me reportaram falhas informáticas”. Porém, também fez questão de frisar que existem mais de 200 aplicações informáticas, em “constante atualização”. “Não me recordo de ter tido um reporte específico quanto ao tratamento desta matéria”, salientou.

Brigas Afonso frisa que não conhecia muitos dos trabalhadores da área de informática mas tinha a ideia de “pessoas muito dedicadas” e “competentes”. Em resposta ao PCP, o antigo diretor-geral do fisco afirmou que a AT não tem recursos para o desenvolvimento de aplicações mais complexas, recorrendo a outsourcing. Só pequenas adaptações são feitas “com a prata da casa”, salientou.

Questionado pelo PSD sobre se trocou informações com o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais na altura, Brigas Afonso indicou que nunca houve “qualquer pedido concreto” sobre o assunto. Aliás, “na altura, a grande prioridade era o e-fatura”, disse. Tratava-se de um “sistema novo”, com um “manancial enorme” de informação.

Brigas Afonso não soube precisar se todas as transferências para offshores são enviadas para o controlo do fisco ou se há alguma seleção específica, questões levantadas pelo Bloco de Esquerda. Mas referiu depois que a competência para tratar os dados é da inspeção tributária, com base na análise de critérios de risco. E notou que estes critérios são sigilosos, em resposta a Cecília Meireles, do CDS.

O antigo líder da AT disse ainda que não teve conhecimento de qualquer mudança que pudesse levar a que determinadas transferências deixassem de ser analisadas.

Ontem, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos (STI) disse ao ECO que a informação sobre as transferências para offshores chegam à AT através dos modelos 38 “e depois é feita uma separação entre o que vai para análise e o que não vai”. Enquanto Azevedo Pereira era diretor-geral da AT, havia “uma série de dados que não passam para a área da investigação” porque “eram montantes relativamente baixos”, revela. Mais tarde, já com Brigas Afonso na AT, “há uma grande transferência que não vai sequer para análise”, afirmou Paulo Ralha.

(notícia atualizada às 16:00)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brigas Afonso diz desconhecer falhas informáticas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião