Offshores: Erro não foi informático, diz sindicato

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 2 Março 2017

A primeira transferência de elevado valor que escapou ao controlo do Fisco ocorreu com Brigas Afonso de férias, afirma o presidente do STI.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos (STI) entende que a falta de controlo por parte do Fisco de algumas transferências para offshores resultou de ação humana. A primeira transferência de grande valor nestas circunstâncias foi comunicada pouco tempo depois de Brigas Afonso assumir funções como diretor-geral da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), e durante o seu período de férias, diz Paulo Ralha.

Esta quarta-feira, no Parlamento, o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais explicou que o Fisco não vigiou transferências de dez mil milhões de euros para paraísos fiscais entre 2011 e 2014 porque a “rotina informática que deveria transmitir os dados desses ficheiros completamente do Portal das Finanças para o sistema central os transmitiu incompletamente”.

Mas o líder do STI entende que o erro não foi do sistema. “Não houve problema no sistema informático. Houve problema com as pessoas que manejaram o sistema informático”, afirmou ao ECO Paulo Ralha, acrescentando que a própria transferência de ficheiros “carece também de intervenção humana”. Porém, falta apurar se “foi com dolo ou não”.

De acordo com o dirigente sindical, a informação sobre as transferências para offshores chegam à AT através dos modelos 38 “e depois é feita uma separação entre o que vai para análise e o que não vai”. Enquanto Azevedo Pereira era diretor-geral da AT, havia “uma série de dados que não passam para a área da investigação” porque “eram montantes relativamente baixos”, revela.

Este cenário altera-se mais tarde. Em julho de 2014, Brigas Afonso toma posse como líder da AT e pouco depois, até com o novo diretor-geral de férias, “há uma grande transferência que não vai sequer para análise“, afirma Paulo Ralha, estranhando a coincidência temporal. “Que um valor pequeno não vá para amostra é aceitável, já não é aceitável ter um valor de grande montante e ainda por cima num período em que há mudança de diretor-geral e o diretor-geral até está fora”, diz.

Portanto, a AT sabia desta transferência? “Claro, os dados chegaram à AT, estamos a falar internamente, de alguém na AT que ao fazer a escolha do material que ia para análise deixou esse de fora”, responde Paulo Ralha. E não está em causa apenas uma transferência: “São mais”, avisa.

O dirigente sindical aponta, aliás, para outros acontecimentos que tiveram lugar mais ou menos na mesma altura. “É também por esta altura, ou um pouco mais tarde, que começam a chegar relatos ao sindicato de processos disciplinares levantados pela verificação do cadastro de determinados contribuintes“, aquilo que acabou por ser conhecido mais tarde como a lista VIP. Esta questão já tinha sido levantada por Paulo Ralha ao jornal i.

“Coincide tudo no tempo. E o Doutor Brigas Afonso vinha das alfândegas, tinha menos acuidade para as questões fiscais, tinha acabado de tomar posse e enquanto está de férias começam a acontecer estas situações”, diz Paulo Ralha, que acredita, porém que a “sonegação de informação” não deverá estar ligada a cargos de nível máximo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Offshores: Erro não foi informático, diz sindicato

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião