Mercedes “perdeu a cabeça”… do Classe E

A marca alemã concluiu a renovação da Classe com o E Cabrio. A silhueta é em tudo idêntica à do Classe E Coupé, mas com uma capota de lona boa para abrir no verão. Mas só chega depois do... verão.

A Mercedes demorou apenas um ano a concluir a renovação dos Classe E. Depois da berlina, da carrinha, do coupé e do Classe E All-Terrain, lança agora o cabrio. É em tudo idêntico ao coupé, mas “perdeu a cabeça”… É um carro para passear com os cabelos ao vento, mas só vai ser possível fazê-lo depois do verão.

Comparativamente ao seu antecessor, o novo Classe E Cabriolet cresceu no que diz respeito ao comprimento, largura e à distância entre-eixos: com um comprimento de 4,826 metros, uma largura de 1,860 e uma altura de 1,428 metros. “O novo Classe E Cabriolet é sem dúvida o modelo de maiores dimensões, sendo a dinâmica de condução a principal beneficiária da maior largura das vias”, diz a marca.

A suspensão rebaixada em 15 milímetros comparativamente à do Classe E Limo enfatiza igualmente o caráter desportivo luxuoso do Classe E Cabriolet que chegará ao mercado com vários motores a gasolina e a gasóleo. No caso da gasolina, a entrada é feita com o E200 Cabrio, chegando ao E400 4Matic Cabrio de 333 cv. No diesel, a única estrela é o E220, que conta com 194 cv.

Capota especial

Potência não falta para passear com o novo E Cabrio, mas não será este verão. A marca só irá lançar este novo modelo já em setembro, depois do tempo mais quente, pelo que ter uma boa capota é essencial. E nesse capitulo, a fabricante alemã dá essa garantia já que o E herda a capota do Classe S.

A capota de lona está disponível nas cores castanho-escuro, azul-escuro, vermelho escuro ou preto. Esta capota, preparada para garantir uma ótima insonorização, pode ser totalmente aberta e fechada em 20 segundos com o veículo a uma velocidade igual ou inferior a 50 km/h, destaca a marca.

Luxo de cabelos ao vento

De capota aberta ou fechada, para quem vai a bordo deste novo Mercedes o luxo é sempre o mesmo. Os bancos “estão equipados com apoios laterais, apoios de cabeça estruturalmente integrados e com o opcional sistema de aquecimento da zona do pescoço Airscarf“, refere a marca.

Também há, claro, muita tecnologia para entretenimento — a de ajuda à condução é igual à do Classe E. O modelo de entrada na gama combina dois ecrãs de sete e 8,4 polegadas, mas em opção há dois ecrãs de alta resolução de 12,3 polegadas que se fundem por detrás de um painel de vidro partilhado para criar um ecrã largo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mercedes “perdeu a cabeça”… do Classe E

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião