5008: Um SUV dos grandes, mas sem perder o estilo

Assente nas linhas que valeram o prémio Carro do Ano ao 3008, a Peugeot prepara-se para lançar o 5008. Portugal foi o palco internacional para dar conhecer ao mundo o SUV de sete lugares.

Se a primeira geração do 5008 passava um pouco despercebida, a nova não. Assente nas linhas do 3008, o novo modelo da marca do leão apresenta-se como uma proposta atraente no segmento dos SUV de sete lugares. Combina um estilo diferenciador no exterior, mas também no interior, com motores competentes, ideais para levar “todo o mundo” a dar um passeio.

Só vai chegar ao mercado em junho, mas o ECO já conduziu o 5008, que está a ser apresentado à comunicação social mundial em Portugal — são, ao todo, 600 jornalistas de 30 países, que vão testar o novo modelo entre Lisboa e Setúbal. Foi nas curvas e contra curvas da Serra da Arrábida que a marca demonstrou as “habilidades” da nova plataforma, já estreada no 3008.

O novo 5008 é em tudo semelhante aquele que foi agora eleito Carro do Ano 2017 em Portugal, com a diferença de ter mais 19 centímetros, embora seja um dos mais contidos no segmento C, o dos SUV de sete lugares. A nova plataforma, as dimensões comedidas, mas também o menor peso, dão-lhe agilidade quanto baste. A carroçaria aguenta-se bem mesmo nas curvas mais apertadas.

Apesar de ser maior que os SUV normais, os motores que a marca escolheu dão conta do recado. O ECO testou o 1.6 a gasolina, mas também o mais potente dos diesel, o 2.0 BlueHDI de 180 cv e caixa automática de seis relações. O motor a gasolina faz-se ouvir quando as inclinações mais íngremes da Serra da Arrábida exigem mais rotação, já o diesel tem força mais que suficiente para superar qualquer obstáculo.

A oferta vai começar no 1.2 Puretech de 130 cv, no caso da gasolina, havendo depois as versões a gasóleo de 1.6 (com 120 cv) e 2.0 de 150 e 180 cv. A marca quer que o peso dos motores a gasolina no mix de vendas cresça, mas a maioria portugueses deverá continuar a optar pelo 1.6 a gasóleo que a marca utiliza nos vários modelos em comercialização — infelizmente, nesta apresentação internacional não havia nenhum para teste.

Espaço? Não falta… para os sete

Num primeiro relance, o 5008 é muito idêntico ao 3008: capot longo e horizontal, uma frente vertical, uma cintura elevada, características que diferenciam os Peugeot de outras propostas entre os SUV. E até disfarça bem as dimensões mais generosas do que o irmão mais pequeno: tem 4,64 metros de comprimento, sendo que no interior percebe-se que… é grande. Com uma distância entre eixos de 2,84 metros, é o mais espaçoso de todos os SUV do segmento C.

As maiores dimensões deste novo modelo (está 11 centímetros maior que o 5008 da primeira geração), o que se nota na habitabilidade. Há espaço para os sete. No 5008, a segunda fila de bancos tem três lugares independentes, idênticos, reguláveis tanto em comprimento como em inclinação e escamoteáveis, já a terceira fila tem dois lugares independentes, escamoteáveis e, o melhor, extraíveis. Pesam 11 kg cada um.

Quanto custam estes dois lugares extra? A Peugeot alinhou os preços do 5008 ligeiramente acima do 3008. Assim, o custo adicional face ao SUV de cinco lugares será de 1.700 euros, independentemente do motor ou da versão escolhida. O 1.2 Puretech 130 cv Active, com caixa manual de seis velocidades, que é o modelo de entrada, custará 32.380 euros. O 1.6 diesel custa 34.580 euros e o topo de gama (2.0 a diesel de 180 cv) chega aos 46.220 euros, mas vem carregado de ajudas à condução e muita tecnologia para entretenimento.

Muito à frente na tecnologia

Os 5008 podem contar, consoante a versão, com Advanced Grip Control (que tem Hill Assist para controlar o SUV nas descidas íngremes), travagem automática de emergência, alerta de risco de colisão, cruise control adaptativo, Park Assist e visão 360 graus para ajudar à condução. Mas também há o sistema de massagem pneumática com oito bolsas de ar nos bancos da frente, sistema Hi-Fi Premium da Focal, além do sistema de navegação (com o TomTom® Traffic) num grande touchscreen capacitivo de oito polegadas.

Mas o que mais se destaca é o Peugeot i-Cockpit, um espetacular painel de instrumentos digital de alta resolução, de 12,3 polegadas, que pode ser personalizado ao gosto do condutor. Tem vários modos, desde o mais básico, onde apenas indica a velocidade, até à inclusão da informação da navegação. É um ecrã que dá ao interior luxuoso do 5008 um toque futurista, destacando-o positivamente da concorrência direta.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5008: Um SUV dos grandes, mas sem perder o estilo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião