Português vai dar créditos nos Estados Unidos

A partir de abril, os estudantes nos Estados Unidos vão poder realizar exame NEWL de língua portuguesa para obter créditos no acesso às principais. É algo inédito.

Português vai dar créditos nos Estados Unidos. Não. Não estamos a falar de operações financeiras. É mesmo a língua portuguesa. A partir de abril e, pela primeira vez, os estudantes em terras do Tio Sam vão poder fazer o National Examinations in World Languages (NEWL) de língua portuguesa para obter créditos no acesso às principais instituições norte-americanas de ensino superior.

Em comunicado enviado às redações, o Ministério dos Negócios Estrangeiros sublinha as vantagens que a comunidade portuguesa e lusodescendente nos Estados Unidos vai obter. A decisão insere-se ainda num “objetivo mais global de promoção da língua portuguesa junto de todos os estudantes que queiram aceder ao ensino superior norte-americano, agregando vantagens curriculares específicas ao seu valor intrínseco enquanto terceira língua de origem europeia mais falada no mundo”, explica a nota do Ministério liderado por Augusto Santos Silva.

O Programa Advanced Placement (AP) da associação de estabelecimentos de ensino norte-americanos “College Board” reconhece os exames NEWL da American Councils for International Education, incluindo para efeitos de contagem de créditos no ensino secundário e no acesso ao
ensino superior, recomendando-os aos seus associados, esclarece o MNE.

Este reconhecimento, segundo o ministério, resulta do “trabalho que vem sendo realizado pela rede diplomática e consular portuguesa nos EUA, coadjuvada pela Estrutura de Coordenação do Ensino do Português naquele país, e pelo Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, para obter o crescente reconhecimento de exames de português nos sistemas de ensino secundário e de acesso ao ensino superior norte-americanos insere-se na política “3C’s” de promoção da língua portuguesa no estrangeiro — conteúdos (aumento e qualificação da oferta de ensino de português no estrangeiro, incluindo através de cursos à distância), certificação (promoção e maior acessibilidade de exames de Português Língua Estrangeira) e credenciação (valorização da aprendizagem do português através de medidas como a presente).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Português vai dar créditos nos Estados Unidos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião