PSI-20: Promoção é um “marco” para a Novabase. Traz “visibilidade” à Ibersol

O PSI-20 tinha 17 empresas desde a saída do BPI. Na revisão anual conquistou duas cotadas. Novabase e Ibersol foram as eleitas pela Euronext. Uma promoção que ambas recebem com satisfação.

A OPA ao BPI afastou o banco do índice de referência da bolsa portuguesa. Se já só tinha 18… ficou com 17, mas agora vai ganhar duas novas cotadas, a Novabase e a Ibersol, passando a PSI-19. Uma promoção que traz novos setores à principal montra do mercado de capitais nacional, representando “um marco” para a tecnológica, mas também sendo vista como uma garantia de mais liquidez — fruto da maior “visibilidade” — para a dona de cadeias de restaurantes.

"A entrada no PSI-20 dá-nos mais visibilidade, porque estamos no principal mercado [da bolsa de Lisboa], e maior liquidez à ação.”

António Pinto de Sousa

Vice-presidente da Ibersol

Não tem sido fácil para a Euronext Lisboa “encher” o PSI-20. Há muito tempo que o índice de referência não tem as 20 cotadas que lhe dão o nome, sendo que a saída do banco ainda liderado por Fernando Ulrich deixou a gestora com um problema em mãos. Sem cotadas que cumpram a totalidade dos requisitos, a bolsa tomou a decisão de apontar a Novabase e a Ibersol para integrarem o índice a partir de dia 20 de março. E ambas agradecem a promoção.

A Ibersol, que tinha sido excluída do índice em 2003, vê a entrada no PSI 20 como uma forma de conquistar “mais visibilidade”, porque estão “no principal mercado [da bolsa de Lisboa], e maior liquidez à ação”, diz António Pinto de Sousa, vice-presidente da empresa de restauração, em declarações ao ECO. “Mas em termos de negócio não altera nada”, sublinha.

“Penso que para os investidores, de uma forma geral, é positivo” que a Ibersol passe a estar presente no índice de referência, beneficiando dessa visibilidade adicional sobre um negócio que não tinha, até agora, qualquer representação no PSI-20. E o mesmo acontece com a promoção da Novabase, uma tecnológica que esteve afastada do mercado principal desde 2013.

Após integrarmos o Tech40 da Euronext, que distingue as 40 empresas europeias que mais se destacam na inovação, este é mais um importante marco para a Novabase.

Luís Paulo Salvado

Presidente da Novabase

O regresso ao PSI-20 “significa para nós um duplo reconhecimento. Por um lado, do resultado do trabalho dos mais de dois mil colaboradores da Novabase, neste período tão exigente na economia nacional e, por outro, do próprio setor das tecnologias de informação”, diz Luís Paulo Salvado, presidente da Novabase, ao ECO, em declarações por escrito.

“Este setor é cada vez mais importante para a economia, com impacto transversal em todos os outros e, com a entrada da Novabase, passa a estar também representado no principal índice português. Após integrarmos o Tech40 da Euronext, que distingue as 40 empresas europeias que mais se destacam na inovação, este é mais um importante marco para a Novabase”, acrescenta Luís Paulo Salvado.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSI-20: Promoção é um “marco” para a Novabase. Traz “visibilidade” à Ibersol

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião