Rocha Andrade: Novo IVA aduaneiro vai beneficiar empresas e portos nacionais

  • Lusa
  • 13 Março 2017

Rocha Andrade lembra que novo regime do IVA aduaneiro vai entrar em funcionamento a 1 de setembro, pondo fim a um adiantamento de dinheiro que as empresas estavam a fazer ao Estado.

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Rocha Andrade, disse hoje que a importação de mercadorias pelos portos nacionais vai deixar de ser penalizada, com o novo IVA aduaneiro, que entra em vigor em 1 de setembro.

No regime atual, as empresas que importassem matérias-primas através dos portos nacionais tinham de adiantar o valor do IVA ou prestar garantia, o que representava um custo, enquanto se o fizessem por portos de outros países da União Europeia, tal não era exigido.

“O novo regime do IVA aduaneiro vai entrar em funcionamento numa versão ‘beta’ em 1 de setembro e plenamente em 1 de março, para tentar reduzir os custos das empresas sem reduzir a receita do Estado”, disse.

O novo regime do IVA aduaneiro vai entrar em funcionamento numa versão ‘beta’ em 1 de setembro e plenamente em 1 de março, para tentar reduzir os custos das empresas sem reduzir a receita do Estado.

Fernando Rocha Andrade

Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais

Rocha Andrade, que falava num debate sobre o impacto do Orçamento de Estado de 2017, organizado pela Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda, da Universidade de Aveiro (ESTGA-UA), deu como exemplo o caso de uma empresa metalomecânica que importe o metal de fora da União Europeia, através do porto de Algeciras (Espanha), a qual não paga IVA à entrada porque o destino final é Portugal e não Espanha.

Ao abrigo do regime das aquisições intracomunitárias, o metal entra na empresa que só vai pagar IVA quando vender o produto, ou nem o vai pagar se for para exportação.

Já se entrar em Aveiro, como é destinado a ser utilizado em território nacional, ou paga o IVA na importação, ou presta uma garantia para adiar por 60 ou 90 dias esse pagamento, e suporta esse custo financeiro.

“Não faz nenhum sentido que o Estado esteja a cobrar adiantado a quem tem problemas em se financiar, quando o Estado não tem nenhuma vantagem nisso, pelo que, na prática, é um incentivo fiscal à importação pelos portos estrangeiros”, considerou.

Não faz nenhum sentido que o Estado esteja a cobrar adiantado a quem tem problemas em se financiar, quando o Estado não tem nenhuma vantagem nisso, pelo que, na prática, é um incentivo fiscal à importação pelos portos estrangeiros.

Fernando Rocha Andrade

Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais

Segundo aquele membro do Governo, com o novo IVA aduaneiro, que será aplicado já em setembro a alguns produtos, as empresas deixam de suportar esse custo, tal como já acontecia quando importassem as mercadorias por portos de outros países da União Europeia.

Fernando Rocha Andrade referiu-se a outras medidas que o Governo avançou para beneficiar as empresas, como o tratamento fiscal mais favorável ao financiamento através de capitais próprios e a descida do imposto sobre o gasóleo no transporte de mercadorias, igualando-o a Espanha.

Segundo o secretário de Estado, essa medida, que representa cerca de menos 150 milhões de receita fiscal, terá um custo, não para o Estado português, mas para Espanha, já que as transportadoras deixam de ter vantagem em abastecer do outro lado da fronteira, logo deixando mais imposto para o Estado português.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rocha Andrade: Novo IVA aduaneiro vai beneficiar empresas e portos nacionais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião