UGT aproveita Congresso para lançar repto aos patrões

  • ECO e Lusa
  • 19 Março 2017

Carlos Silva acredita que o Governo está comprometido em reverter as medidas impostas durante a ajuda externa.

 

A UGT vai aproveitar o seu XIII Congresso, que se realiza nos dias 25 e 26 de março, para lançar um repto aos representantes das confederações patronais.

“Vou desafiar os empregadores (…) para abrirem as portas ao movimento sindical”, declarou Carlos Silva em entrevista à agência Lusa, acrescentando que não faz sentido a atitude ainda assumida por muitas empresas contra os sindicatos e a falta de disponibilidade para negociar melhores condições de trabalho.

Para o secretário-geral da UGT, a negociação e o diálogo social são fundamentais para o país e os empregadores também têm de perceber isso e valorizar o papel dos sindicatos.

Carlos Silva reconhece o decréscimo na sindicalização, agravado pela crise económica, e recomendou a aproximação aos trabalhadores, prática que diz seguir e que já deu resultados. O líder da UGT já tinha indicado ao ECO que “só com a reestruturação do setor bancário”, a central tinha perdido “cerca de 10 mil sócios”.

Quando assumiu a liderança da UGT, Carlos Silva prometeu também, além do sindicalismo de bases, uma aproximação à sua congénere, a CGTP, mas reconhece os fracos resultados e assume a sua quota-parte de responsabilidade no falhanço. “Não estou a dizer que a culpa é da outra central, também assumo a minha parte. Mas não é fácil trabalhar quando há ideias pré-concebidas em relação a determinadas matérias”, disse à Lusa.

Lembrou que, “apesar de todas as dificuldades, nos momentos-chave, o movimento sindical esteve unido em lutas setoriais”, nomeadamente nos transportes, na administração pública e na educação.

Carlos Silva acredita que o entendimento da esquerda parlamentar permitiu aliviar a austeridade mas vai mais longe ao salientar que o Governo está comprometido em reverter as medidas impostas durante a ajuda externa. Isto apesar de, em fevereiro, o primeiro-ministro António Costa ter afirmado que “é, talvez, boa altura” para estabilizar a legislação laboral, que anda a ser revista “há anos”.

A UGT espera que o debate em concertação social inverta algumas medidas que penalizaram os trabalhadores nos últimos anos, apontando para a caducidade das convenções coletivas de trabalho e as indemnizações por despedimento. Matérias que também foram aceites pela UGT em 2012, quando Portugal estava sob a assistência da troika — era João Proença líder da central.

 

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

UGT aproveita Congresso para lançar repto aos patrões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião