Petróleo estreia-se abaixo dos 50 dólares este ano em Londres

A queda da cotação do "ouro negro" está a ser ditada pelo aumento das reservas nos EUA, que travam as expetativas face à capacidade dos membros da OPEP em travar o excedente de petróleo no mercado.

O preço do petróleo segue em forte queda nos mercados internacionais, com o barril de Brent a negociar abaixo da fasquia psicológica dos 50 dólares pela primeira vez desde o início do ano. A queda das cotações está a ser ditada pelo aumento das reservas do petróleo nos EUA, o que coloca dúvidas relativamente à eficácia do acordo da OPEP que visa baixar a produção e travar o excedente de petróleo disponível no mercado.

Petróleo em queda

O barril de Brent — que serve de referência para as importações portuguesas — perde 2,45%, para os 49,71 dólares, naquela que é a cotação mais baixa desde 30 de novembro do ano passado, dia em que os países da OPEP celebraram um acordo com o objetivo de reduzir o output de petróleo. A desvalorização da matéria-prima acontece no dia em que os EUA divulgam a evolução das reservas de petróleo na semana passada, com os analistas consultados pela Bloomberg a apontarem para uma subida de três milhões de barris de petróleo, para um total de 531,2 milhões.

Um aumento que segue em contraciclo com os esforços que os membros da OPEP têm levado a cabo no sentido de baixar o teto da produção de petróleo, com o objetivo de reequilibrar o mercado mundial e impulsionar as cotações da matéria-prima. O cartel e outros 11 países produtores começaram a aplicar esse plano no início de janeiro, com um horizonte temporal de seis meses.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Petróleo estreia-se abaixo dos 50 dólares este ano em Londres

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião