Centeno sobre o défice: “Não há milagres nem habilidades”

O ministro das Finanças congratulou-se com a descida do défice para 2,1% do PIB. Mário Centeno defendeu que os números mostram que o impacto da redução do investimento foi "pequeno".

Ministro das Finanças, Mário Centeno, na conferência de imprensa sobre o anúncio de défice de 2,1%. Centeno está ladeado pelos secretários de Estado dos Assuntos Fiscais, Rocha Andrade, e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix.Paula Nunes/ECO 24 Março, 2017

“Não há milagres nem habilidades. Há um trabalho muito intenso da Administração Pública”, disse esta sexta-feira o ministro das Finanças, Mário Centeno, na reação à estimativa do défice de 2016 de 2,1% do PIB, publicada pelo Instituto Nacional de Estatística.

Mário Centeno fez questão de sublinhar que o défice registado no ano passado foi de “2,06%” e frisou que “este é o valor mais baixo da nossa história democrática de 42 anos”. O ministro das Finanças defendeu que este é um resultado “sustentável” e aproveitou para acusar o anterior Governo de coligação PSD/CDS-PP de tomar medidas para “aprimorar” o défice de 2015, piorando o de 2016.

Superámos todas [as metas], sem recurso a medidas extraordinárias, de forma sustentada e duradoura”, defendeu Centeno. “As medidas extraordinárias inscritas no Orçamento do Estado inicial somavam 134 milhões de euros. O PERES teve um impacto não repetível de 391,9 milhões de euros (o equivalente a 0,1 pontos percentuais do PIB). Torna-se inequívoco que as metas foram alcançadas sem recurso a medidas extra”, argumentou o ministro.

De seguida, lançou farpas à direita: “Também houve medidas extraordinárias herdadas do anterior Governo que penalizam 2016. Para aprimorar o défice de 2015, o anterior Governo sobrecarregou o Orçamento de 2016 com reembolsos”, acusou, identificando “mais de mil milhões de euros de receita que embelezou a execução orçamental de 2015”, à custa de 2016. Centeno está a fazer a conta aos reembolsos acrescidos de IVA, IRC e IRS (no valor de 891,5 milhões de euros) e antecipação de receitas de IRC dos fundos de investimento (no valor de 120 milhões de euros).

O ministro das Finanças aproveitou ainda para contestar a ideia de que o valor do défice orçamental foi conseguido à custa de um corte abrupto no investimento público. Apesar de reconhecer que, nas suas contas e em base comparável, o investimento caiu mais de 22%, considerou este impacto “pequeno”.

Em reação às palavras do ministro, Duarte Pacheco, deputado social-democrata contra-atacou: “A grande diferença é que o Governo anterior assumia as suas responsabilidades e este foge delas como o diabo da cruz”, disse, questionado pelo ECO.

"A grande diferença é que o Governo anterior assumia as suas responsabilidades e este foge delas como o diabo da cruz.”

Duarte Pacheco

Deputado do PSD

“O Governo anterior assumiu que teve de fazer um enorme aumento de impostos se queria alcançar determinadas metas. Este nunca assume nada. Quando aumenta os impostos sobre os combustíveis diz que é para incentivar os transportes públicos. Quando aumenta os impostos sobre os refrigerantes diz que é por razões de saúde. E assim sucessivamente. Não tem coragem de assumir”, criticou Duarte Pacheco. O deputado lembrou ainda que, em ano eleitoral, “não faz sentido nenhum”, adiar medidas benéficas para as pessoas.

Saldo estrutural “só pode ter melhorado”

Mário Centeno não apresentou números atualizados sobre o saldo estrutural em 2016 — o indicador que mostra o saldo das administrações públicas, excluindo o efeito do ciclo económico e das medidas extraordinárias e que, por isso, mais diz sobre a sustentabilidade da execução. Contudo, o ministro prometeu um resultado neste indicador também melhor do que a meta.

"O saldo estrutural melhorou mais do que o que estava previsto no início do ano.”

Ministério das Finanças

Ministro das Finanças

“A evolução do saldo estrutural só pode ter melhorado”, frisou o ministro. E assegurou: “O saldo estrutural melhorou mais do que o que estava previsto no início do ano”. Centeno argumentou que os resultados orçamentais foram alcançados num ano em que o crescimento económico foi pior do que o esperado (o PIB cresceu 1,4%, contra a meta de 1,8%) e repetiu que a utilização de medidas extraordinárias não foi relevante.

Saída do PDE “permanece em avaliação”

Sobre a saída do Procedimento por Défices Excessivos, Mário Centeno frisou que “o Governo fez tudo a que se comprometeu para colocar o saldo claramente abaixo dos 3%”, mas reconheceu que há riscos: “É verdade que há impactos que não estão ainda avaliados e determinados da recapitalização na Caixa Geral de Depósitos.”

"É verdade que há impactos que não estão ainda avaliados e determinados da recapitalização na Caixa Geral de Depósitos.”

Mário Centeno

Ministro das Finanças

A decisão sobre como registar a injeção de capital fresco no banco público, no valor de 2,5 mil milhões de euros, “permanece em avaliação quer pelo INE e Eurostat, quer pela Comissão Europeia”, disse apenas o ministro.

Entrada noutro Procedimento? Nem pensar

Já quanto à possibilidade de a Comissão Europeia poder levantar um novo procedimento a Portugal, mas desta vez por desequilíbrios macroeconómicos excessivos, Centeno afastou a ideia. “Não me parece que haja qualquer condição, atendendo à evolução macro e microeconómica do país, para que esse procedimento seja lançado”, defendeu Mário Centeno, frisando que a avaliação mais recente que foi publicada por Bruxelas utiliza dados já de 2015.

"Não me parece que haja qualquer condição, atendendo à evolução macro e microeconómica do país, para que esse procedimento seja lançado.”

Mário Centeno

Ministro das Finanças

Daí que o ministro tenha também considerado que não faz sentido, para já, pensar em quaisquer sanções a Portugal, mesmo que o Banco Central Europeu tenha defendido, no seu último boletim mensal, que a Comissão deveria colocar o país no braço corretivo deste procedimento.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno sobre o défice: “Não há milagres nem habilidades”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião