Contas bancárias grátis vão acabar dentro de uma década

  • Lusa
  • 26 Março 2017

A consultora PwC antevê o desaparecimento dentro de uma década das contas bancárias gratuitas, em Inglaterra, onde atualmente muitas contas são isentas de comissões.

A consultora PwC (PricewaterhouseCoopers) antevê o desaparecimento dentro de uma década das contas bancárias gratuitas, em Inglaterra, onde atualmente muitas contas são isentas de comissões, de acordo com um estudo realizado em 2015.

O estudo, feito com base em inquéritos a mais de dois mil cidadãos ingleses, conclui que os clientes das instituições bancárias que recusarem pagar uma pequena comissão vão “gradualmente” enfrentar restrições no levantamento de dinheiro ou mesmo no acesso aos balcões dos bancos.

A consultora defende ser “insustentável” o futuro das contas bancárias sem comissões, tendo em conta que impedem os bancos de realizarem lucros “decentes”.

O problema é os consumidores entenderem as suas contas bancárias como não tendo custos, quando é evidente que não são grátis, são pagas através de encargos com contas a descoberto [overdrafts], taxas e penalidades e uma taxa de juro [a receber pelo cliente] não competitiva, ou até de zero.

Steve Davies

Consultora PwC

O autor do estudo, o consultor Steve Davies, avisa: “O problema é os consumidores entenderem as suas contas bancárias como não tendo custos, quando é evidente que não são grátis, são pagas através de encargos com contas a descoberto [overdrafts], taxas e penalidades e uma taxa de juro [a receber pelo cliente] não competitiva, ou até de zero”.

Em Inglaterra, os bancos cobram apenas comissões, que os ingleses consideram avultadas, quando os clientes utilizam a linha de crédito habitualmente associada à sua conta à ordem (‘overdrafts’), um modelo conhecido no país como o “free if in credit”.

Pelo contrário, em Portugal, um estudo recente da associação de defesa dos consumidores Deco, conclui que os custos das contas à ordem são cada vez mais altos e o que tradicionalmente era gratuito, como as contas ordenado, que não pagavam comissão, está a desaparecer.

O estudo, da revista “Dinheiro e Direitos”, refere que Deutsche Bank, Novo Banco e Santander acabaram com as contas ordenado e, em substituição, estão a propor aos clientes um conjunto de serviços, ou “contas-pack”, que nem sempre são do seu interesse e conveniência.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Contas bancárias grátis vão acabar dentro de uma década

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião