Descubra o Anvil, um hotel hipster no Velho Oeste

  • Bloomberg
  • 27 Março 2017

A vila minúscula de Jackson, no estado de Wyoming, conhecido pelas quintas de celebridades e pelas pistas de esqui. E, agora, por este hotel.

Mas o hoteleiro Erik Warner, que este mês abriu o Anvil Hotel, com 49 quartos e a uma viagem de 20 minutos de autocarro dos teleféricos, quer que o esqui seja a última coisa a passar pela cabeça dos visitantes.

“Jackson é de uma beleza estonteante – olhe para onde olhar fica-se sempre maravilhado”, diz o hoteleiro sobre a cidade que adotou como segundo nome.

"É um dos lugares mais especiais do mundo.”

Erik Warner

Anvil Hotel

O pequeno hotel, um motel dos anos 1950 que foi totalmente recuperado e redecorado, pode ser agora o lugar mais especial de Jackson. Não há dúvidas de que certamente é o mais cool, a menos que tenha sido convidado para visitar a quinta de 320 hectares de Harrison Ford, perto dali.

O design de linhas definidas, inspirado no estilo Shaker, é obra de Jou-Yie Chou, do Studio Tack — um veterano de longa data dos hotéis Ace. Os quartos (disponíveis a partir de 195 dólares por noite) têm lambril em duas cores nas paredes e camas rústicas de ferro, um ‘olá’ aos trabalhadores da fronteira do Oregon Trail, que passava pelo Wyoming nos anos 1800.

O bar do hotel é administrado pela Death & Co., cuja instituição de Nova York apresenta aquele que vem sendo considerando o melhor menu de coquetéis do mundo. A loja de itens gerais, apesar de seus produtos estilo Velho Oeste, é gerida pela Westerlind, uma empresa especializada em itens para atividades ao ar livre com sede no Soho. O restaurante do antigo motel, o Nonni’s, reencarnou com um conceito italiano mais moderno com a ajuda do antigo subchef do Pok Pok, Troy Furuta.

Além disso, há outros pontos de interesse mais locais, como a cafetaria Snake River Roasters de Jackson, as receitas de pastelaria para o pequeno-almoço da padaria Persephone, perto dali, e os doces típicos dos minibares. Trata-se da mistura perfeita de gosto global e credibilidade local que torna o vilarejo atraente a aventureiros e também para moradores da região.

Nada disto aconteceu por acaso. De facto, a criação do hotel remonta ao verão de 1996, quando Warner, na época estudante de hotelaria de Cornell, fez um estágio no Spring Creek Ranch, nos arredores do vilarejo. Gostava do que fazia mas o trabalho não pagava o suficiente para que ele chegasse ao fim do mês, por isso Warner vasculhou a terra à procura de um rendimento extra. Foi assim que acabou por arranjar trabalho na receção do — sim, isso mesmo — Anvil Hotel.

“Conseguir comprar um sítio onde trabalhei quando era novo? É um pouco estranho”, disse Warner, que tem como próximos projetos o hotel Sound View, em North Fork of Long Island, o Grove Hotel, em Portland, Oregon, e um empreendimento em Napa Valley. “Mas é significativo em muitos sentidos.”

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Descubra o Anvil, um hotel hipster no Velho Oeste

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião