Parlamento escocês aprova novo referendo à independência

  • Margarida Peixoto
  • 28 Março 2017

A primeira-ministra escocesa conseguiu apoio para pedir a Londres os meios legais para realizar um novo referendo à independência da Escócia.

O Parlamento de Edimburgo aprovou esta terça-feira a moção para abrir as negociações com Londres, com vista à realização de um novo referendo à independência da Escócia. A proposta da primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, foi aprovada com os votos favoráveis de 69 deputados, e 59 votos contra, adianta a Bloomberg.

Sturgeon conseguiu assim o aval de que precisava para pedir junto das autoridades do Reino Unido os meios legais para realizar o plebiscito. A ideia da líder escocesa é realizar a consulta popular até à primavera de 2019. O resultado obtido na votação desta tarde era já esperado, depois de os Verdes terem revelado o seu apoio à proposta do Partido Nacional Escocês, de Sturgeon.

O voto a favor daquele que será o segundo referendo à independência da Escócia chega um dia antes de o Reino Unido acionar o artigo 50º do Tratado de Lisboa, para arrancar oficialmente dois anos de negociações para a saída da União Europeia. A votação chegou a estar prevista para a semana passada, mas foi adiada por causa do ataque terrorista em Londres.

"Nenhum de nós deve ter qualquer dúvida sobre o que está em jogo. O povo da Escócia também deve ter uma palavra a dizer.”

Nicola Sturgeon

Primeira-ministra escocesa

É de esperar que as negociações entre Edimburgo e Londres por causa do referendo sejam duras. A primeira-ministra britânica, Theresa May, já se mostrou contra a iniciativa, mas Sturgeon tem mantido firme a sua posição: “Quando esta mudança nos é imposta, devemos ter o direito de escolher”, disse, antes da votação, citada pela Bloomberg. “Nenhum de nós deve ter qualquer dúvida sobre o que está em jogo. O povo da Escócia também deve ter uma palavra a dizer”, frisou ainda.

Quando anunciou a intenção de propor ao Parlamento o referendo, Nicola Sturgeon explicou que quer consultar a população escocesa assim que os resultados das negociações do Brexit forem mais claros.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Parlamento escocês aprova novo referendo à independência

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião