Novo Banco: Trabalhadores querem mais pormenores sobre a venda

  • Lusa
  • 3 Abril 2017

Trabalhadores querem saber mais pormenores sobre o negócio e qual a estratégia futura. As informações divulgadas até ao momento foram vagas e pouco de sabe sobre o plano de negócios da Lone Star.

A Comissão de Trabalhadores (CT) do Novo Banco quer que a administração da instituição divulgue mais pormenores relativos à venda da entidade à Lone Star e espera que o Governo tenha sido “cauteloso” na elaboração do caderno de encargos.

Em comunicado, a CT diz já ter solicitado uma reunião ao presidente do Conselho de Administração do Novo Banco “a fim de conhecer mais pormenores sobre o negócio e qual a estratégia futura”, sublinhando a importância de se ter encontrado uma solução e que se tenha afastado de vez, “o espetro da liquidação do banco”.

“Esperemos que o Governo tenha sido cauteloso na elaboração do caderno de encargos para assegurar que o Novo Banco cumpra a sua missão no âmbito da economia nacional no futuro próximo e que assegure a manutenção dos postos de trabalho”, refere a comissão, afirmando notícias que apontam para mais reduções de postos de trabalho e encerramentos de balcões.

"Esperemos que o Governo tenha sido cauteloso na elaboração do caderno de encargos para assegurar que o Novo Banco cumpra a sua missão no âmbito da economia nacional no futuro próximo e que assegure a manutenção dos postos de trabalho.”

Comissão de trabalhadores do Novo Banco

“Estamos frontalmente contra essa possibilidade e esperamos que a imposição de encolher ainda mais o negócio do banco, não seja uma estratégia de favorecimento para outros Bancos a operar no mercado português”, afirma.

Em comunicado divulgado na sexta-feira, o Banco de Portugal informou que o fundo norte-americano Lone Star vai realizar injeções de capital no Novo Banco no montante total de 1.000 milhões de euros, dos quais 750 milhões de euros logo no fecho da operação e 250 milhões de euros até 2020.

Este investimento permite ao fundo passar a controlar 75% do capital do banco, mantendo-se os restantes 25% nas mãos do Fundo de Resolução bancário.

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou, também na sexta-feira, que a venda do Novo Banco não terá impacto direto ou indireto nas contas públicas, nem novos encargos para os contribuintes, constituindo “uma solução equilibrada”.

Para a CT, o comunicado enviado pelo BdP e as conferências de imprensa que lhe seguiram foram “muito vagas “no que diz respeito aos termos da venda e ao acordo entre o Governo, a DGComp e o BCE. “Ainda não se conhece qual vai ser a estratégia, bem como o plano de negócios da Lone Star para o Novo Banco”, indica.

A CT lembra que depois da restruturação levada a cabo ao longo de 2016 e primeiro trimestre de 2017, na qual se reduziu mais de 1.500 postos de trabalho e se encerrou mais de 100 balcões, o Novo Banco tornou-se num dos bancos mais eficientes da Europa e tem o mais baixo número de empregados por balcão do sistema financeiro português.

Comentários ({{ total }})

Novo Banco: Trabalhadores querem mais pormenores sobre a venda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião