4% chega para convencer um benfiquista? Venda já arrancou

O Benfica volta a entrar no campo financeiro. Tem uma nova emissão de dívida destinada a pequenos investidores em que oferece uma taxa de juro de 4%. Quer investir? Conheça antes todos os detalhes.

O Benfica está de regresso ao mercado de dívida. Depois de uma falsa partida, com o Montepio a anunciar a operação ainda antes de esta ter tido o ok do regulador, a SAD encarnada finalmente avançou com a oferta de obrigações destinadas aos investidores de retalho. Pretende obter 50 milhões de euros numa emissão em que oferece aos pequenos aforradores a taxa de juro mais baixa de sempre: 4%, durante três anos. Quer investir? Conheça primeiro os detalhes da operação.

Quem pode investir nestas obrigações?

A oferta de obrigações “destina-se a investidores indeterminados, ou seja, ao público em geral, desde que os potenciais investidores sejam pessoas singulares ou coletivas residentes ou com estabelecimento em Portugal”. Mas “o mercado alvo da Benfica SAD inclui, para além dos respetivos acionistas, os sócios e simpatizantes do SL Benfica”, acrescenta.

Quando se pode subscrever?

A oferta de obrigações da Benfica SAD dura 15 dias. “O período de subscrição decorre entre as 8h30 do dia 5 de abril de 2017 e as 15h00 do dia 20 de abril de 2017”, refere a Benfica SAD no prospeto da operação. “As ordens de subscrição podem ser alteradas ou revogadas até às 15h00 do dia 17 de abril de 2017 (inclusive), hora e data a partir das quais serão irrevogáveis e não poderão ser alteradas”, salienta a Benfica SAD.

Qual o montante da emissão?

Serão emitidas 10 milhões de obrigações da Benfica SAD. Os encarnados referem no prospeto que o valor a emitir será “até um montante inicial máximo de até 50 milhões de euros, com um valor nominal de cinco euros cada”. “O montante da emissão poderá ser aumentado por opção da Benfica SAD até ao dia 11 de abril de 2017 (inclusive)”, acrescenta.

Há mínimo de investimento?

“As ordens de subscrição devem ser apresentadas em montante, para um mínimo de investimento de 100 euros, correspondente a 20 obrigações e, a partir desse montante mínimo, devem ser expressas em múltiplos de cinco euros (referentes a uma obrigação)”, salienta a Benfica SAD.

E se a procura superar a oferta?

“Se a procura de obrigações for superior ao montante máximo das obrigações disponíveis, proceder-se-á a rateio das mesmas, de acordo com a aplicação sucessiva, enquanto existirem obrigações por atribuir”, esclarece o Benfica. Os critérios são os seguintes:

– Atribuição de 1.000 euros em obrigações a cada ordem de subscrição (ou do número de obrigações solicitadas, no caso de este ser inferior a 1.000 euros). No caso de o montante disponível ser insuficiente para garantir esta atribuição, serão satisfeitas as ordens de subscrição que primeiro tiverem dado entrada no sistema de centralização de ordens da Euronext estando, para este efeito, em igualdade de circunstâncias todas as ordens de subscrição que entrarem num mesmo dia útil. Relativamente às ordens de subscrição que entrarem em sistema no dia útil em que for atingido e ultrapassado o montante máximo da emissão, serão sorteadas as ordens de subscrição a serem satisfeitas;

– Atribuição do montante restante solicitado das obrigações em cada ordem de subscrição de acordo com a respetiva data em que deram entrada no sistema de centralização de ordens da Euronext, sendo dada preferência às que primeiro tenham entrado (estando, para este efeito, em igualdade de circunstâncias todas as ordens que entrarem num mesmo dia útil). Relativamente às ordens de subscrição que entrarem em sistema no dia útil em que for atingido e ultrapassado o montante máximo da emissão, será atribuído um montante de obrigações adicional proporcional ao montante solicitado na respetiva ordem de subscrição, e não satisfeito pela aplicação do critério anterior, em lotes de cinco euros da emissão, com arredondamento por defeito;

– Atribuição sucessiva de mais cinco euros da emissão às ordens de subscrição que, após a aplicação dos critérios anteriores, mais próximo ficarem da atribuição de um lote adicional de cinco euros da emissão. No caso de o montante disponível de obrigações ser insuficiente para garantir esta atribuição, serão sorteadas as ordens de subscrição a serem satisfeitas.

Para que vai servir este dinheiro?

“O produto líquido da oferta destina-se ao financiamento da atividade corrente da Benfica SAD, permitindo-lhe consolidar o respetivo passivo num prazo mais alargado, nomeadamente através do refinanciamento de operações bancárias contratualizadas com o Novo Banco”, refere a SAD.

Qual o prazo do investimento?

“O empréstimo tem uma duração de três anos, sendo o reembolso efetuado ao valor nominal, de uma só vez, em 24 de abril de 2020, salvo se ocorrer o vencimento antecipado”, refere a SAD. No entanto, tendo em conta que estas obrigações serão admitidas à negociação na bolsa de Lisboa, os investidores poderão, se necessitarem, vender os títulos no mercado, mas aos preços que estes estiverem no mercado nessa altura. Podem perder ou ganhar dinheiro com os títulos.

Quanto paga de juros?

A taxa de juro dos cupões é fixa e igual a 4,00% ao ano (taxa anual nominal bruta, sujeita ao regime fiscal em vigor), um nível inferior ao oferecido na emissão de dívida realizada no ano passado em que a SAD oferecia uma taxa de 4,25%. “Estes juros vão ser pagos semestral e postecipadamente, com pagamento a 26 de abril e 26 de outubro de cada ano de vida das obrigações, exceto o último pagamento de juros, que terá lugar a 24 de abril de 2020”, diz a SAD.

Há comissões?

Há. E são, regra geral, elevadas, encolhendo de forma expressiva a rentabilidade do investimento. Assumindo a manutenção dos títulos até à maturidade, é cobrada a comissão de subscrição, de custódia, pagamento de juros e resgate. “O investidor deve tomar em consideração essa informação antes de investir, nomeadamente calculando os impactos negativos que as comissões devidas ao custodiante podem ter na rendibilidade do investimento (para pequenos montantes investidos esse investimento pode nem sequer ser rentável)”, alerta a SAD do Benfica.

E há risco?

As obrigações não são como os depósitos. Não estão protegidas por qualquer fundo de garantia. Estão dependentes da capacidade, ou não, de o emitente cumprir com o seu pagamento, sendo que o Benfica não tem qualquer rating. É neste sentido que a SAD do Benfica refere que estas obrigações “podem não ser um investimento adequado para todos os investidores”. “Para cada potencial investidor nas obrigações deve o banco avaliar a adequação do investimento, tendo em atenção as características e as circunstâncias do cliente, exceto se comprovadamente estiverem preenchidas as condições cumulativas para se tratar de uma mera execução e/ou de receção e transmissão de ordens”, nota a SAD.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

4% chega para convencer um benfiquista? Venda já arrancou

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião