Centeno desconhece dados da UTAO: despesas com pessoal caem

  • Marta Santos Silva e Margarida Peixoto
  • 5 Abril 2017

O ministro das Finanças não quis comentar o alerta da Unidade Técnica de Apoio Orçamental, apoiando-se antes nos números da síntese da Direção-Geral do Orçamento.

O ministro das Finanças disse esta quarta-feira desconhecer o alerta da Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) acerca do aumento das despesas com pessoal nas Administrações Públicas, a que o ECO teve acesso. Mário Centeno, inquirido na Comissão de Trabalho e Segurança Social, preferiu referir que, na síntese de execução orçamental divulgada pela Direção-Geral do Orçamento (DGO), “as despesas com pessoal no subsetor Estado caem 5,5%” nos primeiros dois meses de 2017 e “até março continuam a cair muito significativamente”.

Carla Barros foi quem confrontou o ministro com o aviso da UTAO que, disse a deputada do PSD na sua intervenção, alertou para “o aumento das despesas de pessoal em 3,6% relativamente aos meses homólogos de janeiro e fevereiro de 2016”. No relatório da UTAO a que o ECO teve acesso, lê-se que a evolução de 3,6% se deve ao setor do “ensino básico e secundário e administração escolar”, principalmente.

“Não comento obviamente exercícios da UTAO que não conheço, nem o poderia fazer”, respondeu Mário Centeno, que abanara a cabeça quando a deputada falou num aumento de 3,6%, e destacou então os dados da DGO. “No conjunto das administrações públicas, as despesas com pessoal caem. Na execução orçamental de 2017, com dados conhecidos, são estes os números que lhe estou a referir” que aparecem, sublinhou.

“Não me parece que haja nenhuma dúvida sobre essa matéria”, completou o ministro, repetindo: “Há uma queda com as despesas com pessoal”.

O relatório da UTAO referia que as despesas com pessoal evidenciam “um grau de execução superior ao verificado no mesmo período do ano anterior”. O Orçamento do Estado para 2017 tem prevista uma verba de 19.798 milhões de euros para pagar aos funcionários públicos, o que representaria uma subida de 0,9%. Segundo a UTAO, em janeiro e fevereiro essa rubrica registou uma evolução bastante mais acentuada.

O que explica a diferença dos números?

O relatório da UTAO parte dos números da Direção-Geral do Orçamento, tal como o ministro das Finanças. Contudo, os peritos do Parlamento aplicam ajustamentos aos valores apurados pela DGO, de forma a permitir a comparabilidade de um ano para o outro. É isso que explica a diferença dos números apresentados por Centeno e pela UTAO.

No caso das despesas com pessoal, a UTAO explica que os ajustamentos decorrem do “diferente perfil de pagamento” do subsídio de Natal. Em 2016, os funcionários públicos recebiam o subsídio de Natal todo em duodécimos. Mas este ano vão receber apenas metade do subsídio em duodécimos e a outra metade será paga em novembro. Isto quer dizer que ao longo de 2017 o rendimento mensal dos funcionários públicos será inferior, mas em novembro os trabalhadores recebem o diferencial.

Para fazer a comparação entre os dois anos, é preciso ajustar este diferente perfil de pagamento. Fazendo o ajustamento, as despesas com pessoal sobem 103 milhões de euros, enquanto sem aplicar esta correção, os gastos caem 17 milhões face ao período homólogo, clarificam ainda os peritos.

O aumento dos gastos com pessoal, verificado desta forma, reflete “a ausência de reduções remuneratórias no setor público durante todo o ano, o que compara com uma reversão gradual trimestral ao longo do ano 2016”, adianta ainda a UTAO.

(Notícia atualizada às 12h00 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno desconhece dados da UTAO: despesas com pessoal caem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião