330 mil trabalhadores sobem na Função Pública

  • ECO
  • 2 Abril 2017

Metade dos funcionários do Estado já conseguiram os 10 créditos necessários para progredir na carreia, avança o Correio da Manhã.

Cerca de 330 mil funcionários públicos — o equivalente a metade dos trabalhadores do Estado — já conseguiram reunir os 10 créditos necessários para que possam progredir na carreira. O número é avançado pelo Correio da Manhã deste domingo (acesso pago), que refere que os trabalhadores do Estado que progredirem na carreira vão receber entre 51 e 52 euros brutos a mais, por mês, por avançarem uma posição na tabela de remunerações da Função Pública.

Segundo o jornal diário, devido ao número elevado de funcionários com direito à progressão na carreira, o Governo atribuiu à Inspeção-Geral de Finanças a coordenação do levantamento dos trabalhadores que já adquiriram esse direito, bem como a medida do respetivo impacto financeiro na despesa com pessoal por parte do Estado. O objetivo será evitar que ocorram erros na identificação dos beneficiários e assegurar que o impacto na despesas não será destorcido.

A título de exemplo, um funcionário público que ocupe a posição remuneratória 12, na qual o vencimento bruto é de 1.047 euros por mês, passará a ganhar mais 51 euros por mês na posição remuneratória seguintes: 1.098 euros por mês se tiver progressão na carreira, explica o Correio da Manhã.

Esta terça-feira, os sindicatos do setor reúnem-se com a secretária de Estado da Administração e do Emprego Público, ocasião em que Carolina Ferra, dará informações sobre o descongelamento faseado das carreiras na Função Pública a partir de 2018.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

330 mil trabalhadores sobem na Função Pública

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião