Bloco: Governo não pode mudar regras a meio do jogo

  • Marta Santos Silva
  • 6 Março 2017

O descongelamento das carreiras na Função Pública deve acontecer conforme as expectativas "legítimas" dos trabalhadores, sublinha Joana Mortágua, sem que sejam alteradas as progressões.

O Bloco de Esquerda defende que o descongelamento das carreiras na Função Pública aconteça de acordo com as expectativas “legítimas” dos trabalhadores, sem que o Governo altere as regras, disse ao ECO a deputada Joana Mortágua.

Em reação à notícia avançada esta segunda-feira pelo Público de que o Governo prevê alterar a forma como acontecem as progressões nas carreiras na Administração Pública, Joana Mortágua afirma que “o que não pode acontecer é [o Governo] alterar as regras a meio do jogo”. Para a deputada, os funcionários públicos têm expectativas de que, em 2018 — quando o Executivo de António Costa se comprometeu a descongelar as carreiras –, esse descongelamento aconteça “com as mesmas regras”.

Joana Mortágua, ao centro, é contra mudanças no atual regime de progressões.Paula Nunes / ECO

O Público escreve que as progressões podem parar de acontecer de forma automática quando o trabalhador reúne, através de várias avaliações positivas, os pontos suficientes para progredir, e passar a ser baseadas num sistema de prémios ou promoções. Nos últimos anos, com as carreiras congeladas, os trabalhadores continuaram a acumular pontos, que se calculam de acordo com a avaliação de desempenho obtida, pelo que um grande número de pessoas já reuniu condições para progredir quando se der o descongelamento.

Joana Mortágua sublinhou, no entanto, que ainda não são conhecidos os pormenores para lá da notícia divulgada hoje. “Não conhecemos nenhuma proposta do Governo”, alertou. “Não temos informação sobre a qual nos pronunciar”. O ECO já contactou o Ministério das Finanças para tentar obter mais informações para lá das noticiadas hoje pelo Público.

No entanto, é a posição do Bloco que o descongelamento deve acontecer como esperam os funcionários da Administração Pública. E acrescentou que a lei atual das progressões não prevê um avanço automático na carreira: “Não é certo que não haja critérios. Há critérios hoje para a progressão que são, do nosso ponto de vista, ajustados às características muito particulares da Função Pública”.

A deputada também reconheceu que os funcionários públicos sintam receio ao ouvirem falar em reestruturação da profissão. “O que os funcionários públicos sabem é que de cada vez que se fala em reforma na Administração Pública, os funcionários sofrem”, apontou. “É normal que qualquer anúncio de alterações assuste, porque normalmente são para pior”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bloco: Governo não pode mudar regras a meio do jogo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião