Arménio Carlos: Governo tem de pagar retroativos das progressões

  • ECO
  • 9 Março 2017

O líder da CGTP exige que o Governo pague os retroativos dos aumentos referentes à progressão na carreira, que tem estado congelada, antes de discutir modelo de descongelamento.

O líder da CGTP quer que o Governo pague os retroativos das progressões aos funcionários públicos que não têm podido avançar na carreira, mesmo tendo condições para tal, devido ao congelamento que já dura há quase uma década. Em entrevista ao Público, Arménio Carlos defendeu que esse pagamento era um compromisso incontornável a cumprir antes de se poderem negociar outras condições no modelo do descongelamento.

“Em primeiro lugar é preciso concretizar o que está comprometido”, afirmou o líder sindicalista. O Jornal de Negócios noticiou ontem de fonte governamental que o Governo poderá não pagar retroativos nas progressões. Durante o período em que os funcionários públicos tiveram as suas carreiras congeladas, pelo menos desde 2010, estes continuaram a acumular pontos com as suas avaliações de desempenho anuais, e muitos já têm os requisitos para progredir há vários anos.

Para Arménio Carlos, é importante que esses retroativos sejam pagos. “Não aceitamos que os trabalhadores da Administração Pública sejam tratados como trabalhadores de segunda ou credores de terceira ou quarta categoria”, disse. “São credores do Estado, porque foram avaliados e não viram concretizada a atualização dos respetivos salários pela via das progressões. Portanto, são credores, se não credores, têm de ser respeitados. Se têm de ser respeitados, o Governo tem de pagar. Depois vamos discutir o resto”.

Nessa discussão, poderia entrar uma reformulação da forma como se processam as progressões? Para Arménio Carlos, “é prematuro estar a admitir seja o quer for”, e é preciso ver propostas concretas. “Depois os nossos sindicatos, nomeadamente a Frente Comum, não deixarão de se pronunciar”, acrescentou.

Questionado sobre a necessidade do Estado de cumprir as metas orçamentais e os compromissos com a Europa, Arménio Carlos defende que há alternativas para o corte da despesa, por exemplo nas Parcerias Público-Privadas (PPP). “O Estado português vai gastar em 2017 1,6 mil milhões de euros com as PPP. É admissível que esta matéria não seja renegociável?”, pergunta.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Arménio Carlos: Governo tem de pagar retroativos das progressões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião