E o melhor restaurante do mundo é… em Nova Iorque

  • Lusa
  • 5 Abril 2017

O Eleven Madison Park ficou à frente do vencedor do ano passado, o italiano Osteria Francescana, de Modena.

O Eleven Madison Park, de Nova Iorque, sagrou-se hoje como o melhor restaurante do Mundo de 2017 na classificação da “50 Best”.

Dirigido pelo chef suíço Daniel Humm, o restaurante contemporâneo nova-iorquino ficou à frente do vencedor do ano passado, o italiano Osteria Francescana, de Modena, e o catalão El Celler De Can Roca, em Girona (Espanha).

“Estou muito contente. Estou muito orgulhoso por ter conseguido [este prémio]. Quando comecei a cozinhar, há 25 anos, nem nos meus sonhos mais loucos imaginava chegar aqui”, declarou o grande vencedor da classificação, Daniel Humm.

O chef nascido na Suíça foi premiado pelo seu menu de jantar baseado nos produtos agrícolas e na tradição culinária de Nova Iorque.

A Espanha, os Estados Unidos e a França, com seis restaurantes cada um, são os países mais representados na lista dos 50 Melhores Restaurantes do Mundo, listagem na qual figuram representantes de 22 países de cinco continentes.

Na lista dos 10 melhores, além do trio do pódio contam-se outros dois restaurantes de Espanha, bem como representantes de França, Peru, Tailândia e Áustria.

O ranking “50 Best” é atribuído desde 2002, após escolhas de mais um milhar de “especialistas independentes” (chefes, jornalistas especializados, proprietários de restaurantes). O prémio é uma iniciativa do grupo de media britânico William Reed, que publica a revista Restaurant.

Além desta classificação a mesma organização publica a lista dos considerados 100 melhores, já divulgada a 28 de março, na qual o português Belcanto, de Lisboa, ficou em 85.º lugar.

A legitimidade do prémio é contestada por vários chefs franceses, que o consideram “opaco”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

E o melhor restaurante do mundo é… em Nova Iorque

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião