António Ramalho: “Após mil dias de transição”, Novo Banco “está de parabéns”

O presidente do Novo Banco assinala a assinatura da venda da instituição, 970 dias de o processo de ter sido iniciado.

A venda do Novo Banco foi “finalmente assinada”, 970 dias depois de o processo ter sido iniciado. “Está de parabéns um banco que continua normal após mil dias de transição”. Foi desta forma que António Ramalho, presidente do Novo Banco, assinalou, na sua conta de Twitter, a venda do banco que resultou da resolução do Banco Espírito Santo (BES).

O processo de venda do Novo Banco foi oficialmente lançado a 4 de dezembro de 2014, quando o Fundo de Resolução publicou um convite para as entidades que quisessem apresentar manifestações de interesse pelo banco.

Essa foi a primeira tentativa de venda do Novo Banco. O processo prolongou-se por 2015 e, em setembro desse ano, foi suspenso. O Banco de Portugal considerou que nenhuma das três propostas vinculativas, apresentadas pelos grupos chineses Anbang e Fosun e pelo fundo norte-americano Apollo, era satisfatória e, portanto, optou por não recomendar a venda.

A 15 de janeiro de 2016, é lançado o segundo processo de venda do Novo Banco. Passado mais de um ano, a 31 de março de 2017, o primeiro-ministro anunciou que o banco foi vendido ao fundo norte-americano Lone Star, que passará a deter 75% do Novo Banco, ficando obrigado a injetar mil milhões de euros no capital da instituição.

Comentários ({{ total }})

António Ramalho: “Após mil dias de transição”, Novo Banco “está de parabéns”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião