Risco da dívida do Novo Banco volta a disparar. Taxa supera 16%

Obrigações seniores do Novo Banco têm pior semana em cerca de um ano, com o risco destes títulos a disparar para máximos de dois meses perante ameaça de incumprimento parcial com venda ao Lone Star.

Desconfiança, incerteza e indefinição. É cada vez maior o prémio de risco que os investidores estão a exigir para deter obrigações seniores do Novo Banco, isto depois de o Banco de Portugal ter anunciado na semana passada que os obrigacionistas seniores vão ser chamados a participar, de forma voluntária, numa troca de dívida por outros títulos que comportam mais risco porque vão servir para reforçar o capital da instituição vendida ao Lone Star. Para a Moody’s, há riscos de perdas para os credores com esta operação.

As obrigações seniores vão a caminho da pior semana em cerca de um ano. Desvalorizam mais de 11% (mais de 10 euros) desde a última sexta-feira, dia em que se ficou a saber que os obrigacionistas seniores do Novo Banco deverão participar na troca de dívida para que a venda do banco de transição ao fundo norte-americano seja concluída.

Colocando as coisas de outra perspetiva: a taxa de juro associada a estes títulos de dívida está a disparar esta semana e já supera os 16% — a título comparativo, a taxa de juro da República com a mesma maturidade está nos 2,229%. É o nível mais elevado desde fevereiro, refletindo a crescente incerteza em torno da capacidade de reembolso total destas obrigações.

Risco das obrigações seniores dispara

Em causa está uma oferta “voluntária” de troca de obrigações seniores por outro tipo de títulos com maior nível de subordinação que permita reforçar o capital do Novo Banco em 500 milhões de euros, sendo uma das condições determinantes para evitar outros cenários como a liquidação da instituição.

A Moody’s, que esta quarta-feira baixou o rating destas obrigações para “Caa2”, com elevado risco de crédito, alertou para os riscos de perdas para os investidores que apostem nestes títulos.

"O downgrade do rating da dívida sénior está sob revisão de mais agravamentos e reflete a expectativa de perdas que os obrigacionistas seniores do Novo Banco deverão enfrentar [com a troca de obrigações]”

Moody's

Comunicado

“A agência de rating considera esta oferta como uma troca problemática que será realizada como forma de evitar a liquidação do Novo Banco e conclusão do processo de venda”, acrescentou ainda.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Risco da dívida do Novo Banco volta a disparar. Taxa supera 16%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião