Novo Banco: Bruxelas satisfeita com fim de “longa saga”

  • Lusa
  • 5 Abril 2017

A comissária europeia para a Concorrência, Margrethe Verstagher, disse hoje estar “satisfeita” com a venda do Novo Banco, esperando por detalhes da operação “nas próximas semanas”.

A comissária europeia para a Concorrência, Margrethe Verstagher, disse hoje estar “satisfeita” com a venda do Novo Banco, uma “longa saga” que se arrastou por mais de três anos, esperando por detalhes da operação “nas próximas semanas”.

“Foi bom termos visto o acordo de compra e venda e que conheceremos com mais detalhe nas próximas semanas”, disse Margrethe Verstagher, em conferência de imprensa. A comissária adiantou ser “muito positivo que esta longa saga – que começou com o Banco Espírito Santo [BES] a necessitar de ajuda, passou pela solução temporária do Novo Banco e os acordos e compromissos então assumidos pelo Governo português para vender, num rasto que vai até 2014 – esteja num processo de finalização”.

“É bom que a venda esteja concluída e terminado um processo que durou mais do que três anos”, salientou. Reiterando que “compete às autoridades portuguesas decidirem a quem querem vender o Novo Banco”, a responsável pela pasta da Concorrência no executivo comunitário disse que a venda do banco contribui para “assegurar que Portugal tem um sistema bancário competitivo, que beneficie toda a economia”.

A venda do Novo Banco ao fundo de investimento norte-americano Lone Star foi anunciada na passada sexta-feira. O grupo norte-americano vai realizar injeções de capital no montante total de 1.000 milhões de euros, dos quais 750 milhões de euros logo no fecho a operação e 250 milhões de euros até 2020, anunciou o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, confirmando a venda e assinatura dos documentos contratuais por parte do Fundo de Resolução.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Novo Banco: Bruxelas satisfeita com fim de “longa saga”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião