Mourinho Félix: Nacionalização do Novo Banco seria “difícil de justificar”

  • ECO
  • 4 Abril 2017

O secretário de Estado Adjunto e das Finanças diz que o peso excessivo do Estado no sistema financeiro e o impacto financeiro foram os principais entraves à nacionalização do Novo Banco.

O forte peso do Estado no setor financeiro português terá sido um dos principais entraves a uma eventual decisão de nacionalizar o Novo Banco. Em entrevista à RTP, esta segunda-feira, Mourinho Félix, secretário de Estado adjunto e das Finanças, admitiu que “seria difícil de justificar” uma decisão nesse sentido, perante o peso excessivo que o Estado passaria a ter no sistema financeiro português e o impacto financeiro que a decisão teria.

“Quando o Estado já é dono de um banco (a CGD) que é muito relevante no mercado, e que teve agora mesmo uma recapitalização pelo seu acionista em condições de mercado, seria muito difícil de justificar a nacionalização de um banco e que o Estado passasse a ter uma posição absolutamente dominante no mercado bancário”, explicou Mourinho Félix.

“Seria difícil de justificar perante toda a gente, diria eu, como é que o Estado poderia ter uma tal participação no setor financeiro”, complementou ainda o responsável do Governo. De salientar que a Caixa Geral de Depósitos representa 25% do sistema financeiro português.

Mourinho Félix alertou ainda para uma questão que considera “tão ou mais relevante”, que prende-se “com o impacto financeiro que isso poderia ter”, sobre o Estado. Na passada sexta-feira, dia em que foi assinado o acordo de venda do Novo Banco, o primeiro-ministro António Costa apontou para entre quatro e 4,7 mil milhões o impacto imediato para o Estado caso o banco fosse nacionalizado.

“Estudámos bem essa solução. Com a nacionalização, em vez de a Lone Star realizar os 1.000 milhões de euros necessários, o Estado teria de realizar o capital inicial. Só que, sendo o Estado a realizar, não eram mil milhões, eram entre 4 mil e 4.700 milhões, porque, de acordo com as regras da UE, isso seria considerado ajuda de Estado. Portanto, teríamos de realizar não só as necessidades imediatas de capital, mas todas as necessidades eventuais de capital ao longo dos próximos anos. Enquanto esta solução não implica, da parte dos contribuintes, qualquer injeção de capital no Novo Banco, a nacionalização implicaria a injeção, da parte dos contribuintes, de quatro e 4,7 mil milhões de euros”, quando apresentou os resultados do negócio na passada sexta-feira.

As declarações de Mourinho Félix surgem ainda no seguimento da contestação que tem surgido em torno da via escolhida para resolver a situação do Novo Banco, sobretudo nos partidos à esquerda. O PCP anunciou na segunda-feira que vai apresentar um projeto de resolução no Parlamento a recomendar ao Executivo a suspensão da venda ao Lone Star de 75% do banco que ficou com a parte “menos má” do antigo BES e a consequente nacionalização. Já o Bloco de Esquerda pretende levar na próxima quarta-feira a discussão no Parlamento o processo de venda do Novo Banco.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mourinho Félix: Nacionalização do Novo Banco seria “difícil de justificar”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião