Obrigações do Novo Banco afundam com troca “voluntária”

"Estão a apontar uma arma à cabeça dos credores seniores", diz um analista sobre a troca de dívida "voluntária" anunciada pelo Banco de Portugal na sexta-feira após a venda do Novo Banco ao Lone Star.

As obrigações seniores do Novo Banco estão a afundar esta segunda-feira, depois de os credores seniores terem sido chamados a trocar estes títulos de dívida por outros títulos que permitam ao banco reforçar o capital em 500 milhões de euros, uma medida de caráter voluntário e que foi anunciada na passada sexta-feira aquando da venda da instituição ao fundo norte-americano Lone Star.

As obrigações com maturidade em abril de 2019, totalizando os 587 milhões de euros, desvalorizam seis cêntimos para 0,85 euros, tratando-se da maior queda do último ano, e acontece depois de o fundo Lone Star ter concordado em injetar mil milhões de euros no Novo Banco em troca de uma posição de 75%. A taxa passou de pouco mais de 9% para mais de 13,5%.

Na sequência desta operação, os credores seniores serão chamados a participar numa oferta voluntária de troca de dívida “que permita gerar pelo menos 500 milhões de euros de fundos próprios elegíveis para o cômputo do rácio CET1”, anunciou na passada semana o Banco de Portugal.

Taxa das obrigações seniores dispara

Fonte: Bloomberg (valores em %)

Na conferência de anúncio de venda do Novo Banco, o governador Carlos Costa sublinhou que “a solução desenhada não envolve uma ação não voluntária” e “não afetará o capital” dos obrigacionistas. No entanto, caso não haja investidores que aceitem trocar os títulos, o negócio com o Lone Star será inviabilizado. A alternativa será a nacionalização com perdas para todos os investidores.

Perspetiva diferente têm, porém, os investidores. “Parece que eles estão a apontar uma arma às cabeças dos obrigacionistas seniores“, referiu Carlo Mareels, da Mitsubishi UFJ Financial Group, à Bloomberg. “O que acontece se estes rapazes não injetarem dinheiro? Há um risco no horizonte de uma resolução para os credores seniores”, acrescentou.

"Parece que eles estão a apontar uma arma às cabeças dos obrigacionistas seniores. O que acontece se estes rapazes não injetarem dinheiro? Há um risco no horizonte de uma resolução para os credores seniores.”

Carlo Mareels

Mitsubishi UFJ Financial Group

Embora não tenha sido detalhado um plano, o ministro das Finanças Mário Centeno adiantou que as obrigações serão “transpostas” para títulos com um maior nível de subordinação. António Costa salientou na mesma conferência que “não há novos sacrifícios involuntários para os credores”.

Ainda assim, na mente dos investidores, há um precedente de imposição de perdas para os obrigacionistas, nomeadamente com a transferência de algumas obrigações seniores do Novo Banco para o banco mau no final de 2015, por decisão do Banco de Portugal

A 22 de março, um grupo de investidores que apostaram em dívida sénior do antigo Banco Espírito Santo (BES) anunciou que vai processar o banco central, numa ação liderada pela Pimco e pela BlackRock. Pretendem recuperar as perdas sofridas pelos seus clientes no seguimento da transferência de 2,2 mil milhões de euros em títulos de dívida sénior do Novo Banco para a massa insolvente do BES.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Obrigações do Novo Banco afundam com troca “voluntária”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião