Portugal negoceia acordo de 600 milhões com grandes investidores do Novo Banco

O Governo e o Fundo de Resolução esperam chegar a acordo com os grandes investidores do Novo Banco ainda este ano. Os 600 milhões serão suportados pelo Fundo de Resolução.

As autoridades portuguesas estão a tentar chegar a acordo com o grupo de grandes investidores que sofreram perdas com a transferência de obrigações que detinham no Novo Banco para o BES “mau”. Segundo a Bloomberg, o acordo que está em cima da mesa prevê uma compensação de 600 milhões de euros a este grupo de investidores, liderados pelas gestoras de ativos BlackRock e Pimco. Este montante será suportado pelo Fundo de Resolução.

A notícia surge uma semana depois de estes mesmos investidores, que apostaram em dívida sénior do antigo BES (entretanto transformado em Novo Banco), terem decidido processar o Banco de Portugal, sugerindo ainda que Portugal sairia a ganhar se chegasse a acordo. Em causa está a transferência de cinco linhas de obrigações do Novo Banco para a massa falida do BES, ou o chamado “banco mau”. Estas obrigações totalizam, no seu conjunto, 2,2 mil milhões de euros.

O grupo com que as autoridades portuguesas estão agora a negociar um acordo, liderado pela Pimco e BlackRock, representam dois terços do total de 2,2 mil milhões de euros investidos. O objetivo, explica a Bloomberg, é fechar o acordo ainda este ano. O valor em cima da mesa, de 600 milhões de euros, está a ser calculado com base no que os investidores teriam recuperado caso o BES tivesse sido liquidado, em vez de ter sido dividido em “banco bom” (o Novo Banco) e “banco mau” (para onde foram transferidas as obrigações). Este cálculo foi feito pela consultora Deloitte, que estima que os obrigacionistas teriam recuperado 31,7% do valor investido caso o BES tivesse sido liquidado.

O ministro das Finanças já tinha adiantado, esta quarta-feira, que o país está a trabalhar para “encontrar uma solução que sirva para todos”. Em entrevista à Bloomberg, Mário Centeno disse que esta situação “está a ter um custo sobre o sistema financeiro [português] e, claro, sobre as instituições envolvidas”. O ministro não entrou em mais detalhes sobre a solução que está a ser trabalhada.

Por “custo sobre o sistema financeiro”, leia-se que, por causa da disputa com o Banco de Portugal e das perdas com as obrigações do Novo Banco, a Pimco e a BlackRock decidiram ficar de fora da emissão da Caixa Geral de Depósitos (CGD). Quando justificaram o porquê de terem avançado com um processo contra o Banco de Portugal, as duas gestoras de ativos referiram que um acordo traria “benefícios para a reputação de Portugal e, em última análise, [beneficiaria] os contribuintes portugueses sob a forma de uma diminuição dos custos de financiamento soberano e do setor bancário”. Ou seja, sem acordo, estes fundos recusam-se a participar nas operações dos bancos nacionais.

Notícia atualizada pela última vez às 19h56 com mais informações.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal negoceia acordo de 600 milhões com grandes investidores do Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião