Bloco e PCP deixam passar novas injeções no Novo Banco

Bloquistas e comunistas estão de mãos atadas. Não conseguem levar a venda do Novo Banco a votos no Parlamento e, se chumbarem nova injeção, correm o risco de empurrar o banco para liquidação.

Se o Novo Banco vier a precisar de nova injeção de capital por parte do Fundo de Resolução, essa injeção poderá esbarrar na lei do Orçamento do Estado de 2017, que prevê um limite máximo para a concessão de garantias por parte de entidades públicas. Mas o Bloco de Esquerda e o PCP, os partidos que poderiam bloquear esta eventual nova injeção, já estão preparados para aprovar estes empréstimos no Parlamento, escreve o Expresso (acesso pago), na edição deste sábado.

A questão coloca-se graças a um “imbróglio jurídico”, explicado pelo ECO na sexta-feira. O problema começa por distinguir “garantia pública” de “mecanismo de capital contingente”, o nome que o Governo deu ao instrumento criado para cobrir possíveis desvalorizações futuras do Novo Banco sem, com isso, ter de prestar uma garantia pública. O que ficou definido foi que este mecanismo só entra em ação se, cumulativamente, os ativos considerados tóxicos do Novo Banco desvalorizarem face ao seu valor de referência e os rácios de capital do banco caírem abaixo de 12%, valor acordado com o Lone Star.

Se o mecanismo tiver de ser acionado, quem injeta dinheiro no Novo Banco é o Fundo de Resolução. É aí que começa o imbróglio jurídico: a lei do Orçamento do Estado de 2017 prevê um limite máximo de 110 milhões de euros por ano para a concessão de garantias por parte de pessoas coletivas de direito público. E, se é certo que o Fundo de Resolução é suportado pelos bancos nacionais, é também certo que a sua definição é “pessoa coletiva de direito público”.

Ora, o que está previsto é que este mecanismo de capital contingente possa injetar um total de 3,89 mil milhões de euros no Novo Banco, até um máximo de 850 milhões de euros por ano (muito acima, portanto, dos 110 milhões fixados pela lei do Orçamento).

Mas o problema, escreve agora o Expresso, poderá ficar resolvido em sede parlamentar, se se chegar a esse ponto. O semanário refere que bloquistas e comunistas estão de “mãos atadas”, já que não têm como levar a venda a votos no Parlamento. Além disso, se uma nova injeção por parte do Fundo de Resolução vier a ser necessária e os dois partidos decidirem chumbá-la com base nesse artigo do Orçamento, o mais provável é que o banco venha a ser liquidado.

Ao Expresso, o deputado comunista Miguel Tiago diz que a posição do PCP será avaliada “em função do Orçamento do Estado, das alíneas em concreto dessa eventual autorização de empréstimo e o seu contexto”, mas deixa claro que “o efeito prático de rejeitar uma alínea dessas, numa altura em que o banco já está vendido, não será a nacionalização do banco, que é aquilo que o PCP defende“.

O deputado acrescenta que o PCP não está condicionado à partida, mas admite que não tem grande margem. “Temos de andar sempre no fio da navalha, porque não dizemos que, não havendo uma nacionalização, devemos liquidar o banco”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bloco e PCP deixam passar novas injeções no Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião