Manuel Vicente sobre a Operação Fizz. “Este é um assunto de Estado”

O vice-presidente angolano, suspeito de ter subornado um antigo procurador português, condena a condução que está a ser feita deste processo.

Está a aumentar a tensão entre Portugal e Angola. Depois de a SIC ter noticiado que a Procuradoria-Geral da República (PGR) ponderou a extradição do vice-presidente de Angola”, no âmbito da Operação Fizz, e de, logo de seguida, a PGR ter desmentido a informação, agora é o próprio Manuel Vicente que vem pronunciar-se sobre a polémica. O vice-presidente angolano já considera que este é um “assunto de Estado”.

A polémica estalou quando a SIC avançou que a PGR terá questionado as autoridades de Luanda sobre se poderiam extraditar Manuel Vicente. Em causa, a Operação Fizz, no qual o vice-presidente de Angola é acusado de ter subornado um Orlando Figueira, um antigo procurador português.

Logo de seguida, a PGR enviou um comunicado às redações, onde esclarecia que “em nenhum momento foi pedida a extradição de Manuel Vicente”. No esclarecimento, a PGR refere que o Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) enviou uma carta rogatória onde requeria um interrogatório a Manuel Vicente. Contudo, a PGR teve “sérias dúvidas sobre a viabilidade” de um interrogatório a Manuel Vicente, tendo em conta o “regime de imunidade que ao mesmo é concedida pela Constituição da República de Angola e à correspondente causa de recusa de execução”.

A PGR decidiu, assim, entrar em contacto com Angola para discutir esta viabilidade. “É nesse contexto que, em 15 de novembro de 2016, a PGR envia um ofício ao procurador-geral da República de Angola a questionar, pelas razões referidas anteriormente, se existe possibilidade cumprimento da referida carta rogatória”. Luanda, por seu lado, respondeu que não existia “nenhuma probabilidade de ser cumprida a carta rogatória nos moldes referidos”, pelo que a PGR entendeu que “seria inútil remeter a referida carta rogatória às autoridades angolanas” e decidiu, por isso, devolver a carta ao DCIAP.

A PGR sublinha, ainda, que “a cooperação judiciária internacional” com Angola “processou-se no integral respeito das Convenções e Acordos internacionais a que ambos os países se vincularam, desenvolvendo-se no espírito de mútua colaboração que caracteriza as relações entre os dois Ministérios Públicos”.

Já este sábado, através de um comunicado enviado às redações pelo seu advogado, Manuel Vicente esclarece a sua versão da história. Primeiro, refere “o inquérito foi encerrado e a acusação foi proferida sem que tivesse sido ouvido” o vice-presidente angolano. Por outro lado também não foram “ponderadas e tratadas corretamente várias questões e regras importantes e sérias que se impunham e continuam a impor”.

Manuel Vicente salienta também que, no despacho de encerramento do inquérito, “são feitas duas afirmações que não são verdadeiras”, algo que considera “grave”. A primeira é que Manuel Vicente terá recusado a possibilidade de vir a Portugal.

Isto é falso. E basta ler de forma objetiva e com boa-fé o que está documentado no processo para o constatar, sendo certo que perante o documento apresentado no processo pela Defesa já há cerca de um ano as Senhoras Procuradoras titulares do Inquérito se limitaram a colocar um ‘visto’ e remeteram-se ao silêncio até ao dia em que decidiram avançar com a acusação, 10 meses depois da apresentação daquele documento”, detalha o advogado Rui Patrício.

A outra afirmação considerada falsa, que consta da reportagem da SIC, é que foi expedida a tal carta rogatória para Angola e o que seu cumprimento foi negado pelas autoridades daquele país. “Também isto é manifestamente falso, conforme aliás foi agora publicamente confirmado pela PGR de Portugal”.

"Para além da gravidade e das necessárias consequências da falta de correspondência com a realidade das citadas duas afirmações expressas feitas no processo, há que ter ainda em conta que estávamos e continuamos a estar, agora reforçadamente, na presença de matérias complexas e delicadas.”

Manuel Vicente

Vice-presidente de Angola

O vice-presidente angolano insiste, assim, na gravidade das acusações que lhe são feitas. “Para além da gravidade e das necessárias consequências da falta de correspondência com a realidade das citadas duas afirmações expressas feitas no processo, há que ter ainda em conta que estávamos e continuamos a estar, agora reforçadamente, na presença de matérias complexas e delicadas — nomeadamente com implicações de soberania, de relações entre Estados e Instituições, e de Direitos Internos e Internacional –, que não podem ser enfrentadas com simplificações nem de modo precipitado, mas sim com a atenção e o cuidado que o que está em causa exige e nas sedes e nos níveis próprios”.

Manuel Vicente conclui dizendo que as questões da cooperação judiciária internacional transcendem e não dependem” de si nem da sua defesa, “mas a sua eventual condução incorreta ou imperfeita não poderá de nenhuma forma prejudicá-lo”. O governante angolano considera, por isso, que “pelo menos nesta dimensão, este é um assunto de Estado”.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Manuel Vicente sobre a Operação Fizz. “Este é um assunto de Estado”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião