Jerónimo de Sousa: “A opção do Governo para o Novo Banco é a defendida pelo PSD e CDS”

  • Margarida Peixoto
  • 10 Abril 2017

Jerónimo de Sousa reforçou que os comunistas estão contra a venda do Novo Banco ao Lone Star e defendeu que este é mais um exemplo da "institucionalização de políticas de concentração de capitais."

Jerónimo de Sousa criticou esta segunda-feira o Governo pela solução que escolheu para o Novo Banco, acusando-o de tomar a opção que o PSD e o CDS defendiam. O secretário-geral do PCP prometeu contestação à entrega da instituição financeira ao Lone Star e reforçou que os comunistas só apoiariam a nacionalização.

“O Novo Banco foi entregue a um fundo especulativo americano, com o afastamento do capital público de qualquer papel decisório e o adiamento por 30 anos dos juros devidos pelos bancos” ao Fundo de Resolução, frisou Jerónimo de Sousa, nas jornadas parlamentares do PCP. “Esta é a opção defendida do PSD e CDS”, reforçou Jerónimo, defendendo que é uma solução que “prejudica o país e o povo” e que, por isso, “o PCP rejeita”. O líder dos comunistas prometeu “oposição” a esta opção e garantiu que o Governo só poderá contar com o PCP “para integrar o Novo Banco no setor público.”

Para Jerónimo de Sousa, a solução escolhida para o Novo Banco é, aliás, mais um exemplo da “institucionalização das políticas de concentração de capitais” promovidas pela União Europeia.

O secretário-geral do PCP aproveitou para deixar avisos sobre o futuro: lembrou que “Portugal beneficia de fatores que não controla e que não estão garantidos”, como é o caso das “baixas taxas de juro”, do “programa do Banco Central Europeu” e de um afluxo de “turistas desviados de outros países”.

Sublinhou que neste momento o “investimento em relação ao PIB é o mais baixo desde a década de 50 do século passado” e que “já não repõe a degradação do aparelho produtivo” e alertou para o aprofundamento do “défice tecnológico”. Mais: “Os excedentes das contas nacionais refletem sobretudo a contenção das importações, com a contenção do consumo”, argumentou.

Para combater esta situação o PCP pede uma “política para aumentar a produção” e que Portugal resista ao “rolo compressor da União Europeia”, afirmando a sua “soberania”. Defende a “concretização da obra hidroagrícola do Baixo Mondego”, pede uma política que inverta a “injusta distribuição do rendimento nacional” e que promova o “investimento para inovação, investigação, grandes projetos produtivos, apoiar as pequenas e médias empresas”. Jerónimo defendeu que é preciso aproximar os preços da energia elétrica, do gás natural e dos combustíveis à média da União Europeia.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Jerónimo de Sousa: “A opção do Governo para o Novo Banco é a defendida pelo PSD e CDS”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião