Despedimento coletivo na Cofina afeta mais de 50 pessoas

  • Lusa
  • 11 Abril 2017

O grupo que detém o Correio da Manhã e o Jornal de Negócios diz estar, no âmbito de uma reestruturação, a reduzir na imprensa e a apostar "cada vez mais no digital, na multimédia".

A Cofina Media avançou com um despedimento coletivo de mais de meia centena de trabalhadores, na sequência da reorganização interna que já tinha sido anunciada, confirmou hoje à Lusa fonte oficial do grupo.

Esta medida surge na sequência de um processo de reorganização que o grupo que detém o Correio da Manhã e o Jornal de Negócios, entre outros títulos, já tinha anunciado.

Em declarações à Lusa, em 6 de março último, fonte oficial da Cofina tinha afirmado que o grupo tinha ajustado as equipas, reduzindo a imprensa, e que não colocava “de lado a utilização dos meios legais disponíveis”, se tal fosse necessário, “para ajustar a atividade às tendências de mercado”.

Na altura, questionada sobre rescisões voluntárias no grupo, a mesma fonte tinha referido que a empresa vinha a “ajustar as suas equipas, reduzindo na imprensa e apostando cada vez mais no digital, na multimédia”.

O lucro da Cofina caiu 14,4% em 2016, face ao ano anterior, para 4,3 milhões de euros, e as receitas operacionais recuaram 0,7% para 99,9 milhões de euros.

No documento de divulgação de resultados, em 3 de março, o grupo tinha referido que iria “aprofundar a sua política de reforço da eficiência operativa como forma de fazer frente ao ambiente de mercado extremamente adverso”, salientando que “serão aprofundadas medidas de corte de custos nas áreas mais expostas ao ciclo e, em simultâneo, serão reforçadas as áreas de crescimento, como sejam a televisão e o ‘online'”.

Numa informação interna, a que a Lusa teve acesso no início de março, é referido que a quebra de receitas de publicidade continua e acentuar-se no início deste ano, pelo que a Cofina decidiu avançar para um programa de corte de 10% de custos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Despedimento coletivo na Cofina afeta mais de 50 pessoas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião