Programa de Estabilidade: Previsões não consideram impacto da recapitalização da CGD

Reunido em Conselho de Ministros, o Governo aprovou esta quinta-feira o Programa Nacional de Reformas e o Programa de Estabilidade. Os documentos vão ser apresentados ao Parlamento no dia 19.

O Executivo aprovou esta quinta-feira o Programa Nacional de Reformas e o Programa de Estabilidade, que servem de planeamento da estratégia do Governo para os próximos anos. Ambos serão entregues na Assembleia da República e discutidos a 19 de abril, na próxima quarta-feira. Os documentos serão também entregues junto das instituições europeias. Em resposta às perguntas dos jornalistas, Mário Centeno admitiu que estas projeções não consideram potenciais impactos da recapitalização da Caixa Geral de Depósitos.

O novo Programa Nacional de Reformas trouxe novidades a vários níveis. O Governo está a equacionar a criação de um mecanismo de incentivos e penalizações para os planos dos bancos para limpar o crédito malparado. Além disso, por exemplo, o Ministério das Finanças planeia dar benefícios aos trabalhadores das empresas públicas que descobrirem onde fazer mais poupanças. O que vai chegar com um atraso de seis meses é o novo Código dos Contratos Públicos.

Na conferência de imprensa após o Conselho de Ministros, Mário Centeno referiu que o Programa de Estabilidade prevê que em 2021 o Estado português tenha um excedente orçamental de 0,9% do PIB. O défice de 2017 ficará, nas previsões do ministro das Finanças, em 1,5%, uma décima inferior à previsão do Orçamento do Estado para 2017. Em 2020, haverá um excedente de 0,4%, revelou também o responsável pelas finanças.

Já em relação ao crescimento económico, Centeno tem como meta para este ano 1,8%, também uma revisão em alta. Até 2021 chegará a 2,2%. “As projeções que fazemos são projeções marcadas por uma análise realista e cuidadosa“, afirmou Mário Centeno, referindo o “excelente momento” da economia portuguesa.

Quanto ao saldo estrutural, o ministro das Finanças garante que este vai diminuir gradualmente até 2021. Em 2017 esse ajustamento será de 0,3% e nos anos seguintes passa a 0,6% até chegar ao “saldo de médio prazo” em 2021. Centeno vincou a “noção de sustentabilidade nas decisões” que o Governo toma.

Contudo, existe um pormenor que poderá fazer com que estas projeções para as contas públicas não se concretizem. Mário Centeno admitiu que “estes números [do Programa de Estabilidade] não registam nenhum impacto que possa vir a ser determinado” por causa da Caixa Geral de Depósitos. O ministro das Finanças reafirmou que o assunto “está em aberto”, consoante a análise do INE e do Eurostat, podendo existir um “impacto da recapitalização nas finanças públicas”.

“O Governo tem trabalhado no sentido de clarificar a situação para ter uma decisão”, garantiu Mário Centeno. Contudo, o ministro refere que a recapitalização da CGD “foi aprovada pela Comissão Europeia sem ajudas de Estado adicionais” tendo em conta o princípio de investimento em situação de mercado. Como é uma situação inédita dentro da União, Centeno refere que isso “torna o registo da CGD uma situação nova no quadro estatístico europeu”.

Portugal em 2017 vs. Portugal em 2021

Projeções que constam do Programa de Estabilidade de 2017-2021 aprovado esta quinta-feira em Conselho de Ministros.

A taxa de desemprego em 2017 ficará em 9,9%. O Programa de Estabilidade prevê que o emprego continuará a subir, sendo que em 2021 a taxa de desemprego chegará aos 7,4%.

Quanto à dívida pública, o ministro das Finanças garantiu que a dívida pública ficará nos 127,9% este ano. Mário Centeno reafirmou “o compromisso inabalável” de embarcar numa “trajetória descendente” da dívida soberana portuguesa, o que se deve
“materializar já a partir deste ano”, mas continuar de tal forma nos próximos anos que o Governo prevê uma dívida pública, em 2021, de 109,4% do PIB.

O responsável pelas finanças públicas espera que os resultados do lado da consolidação orçamental sejam suficientes para aumentar a “credibilidade” de Portugal face ao exterior. Mário Centeno espera por isso ter no futuro “condições de financiamento em melhores condições”, o que permitirá também a redução dos encargos com os juros da dívida. Além disso, Centeno confia no “excelente momento do mercado de trabalho” e na “revisão em alta do investimento” para que haja um “aumento do crescimento potencial da economia” que permita diminuir, em termos percentuais face ao PIB, a dívida pública.

Na avaliação do cenário macroeconómico do Governo, Mário Centeno garante que “não terá nenhuma dificuldade em ser bem acolhido pela Comissão Europeia”, uma vez que “cumpre todas as regras que são colocadas no âmbito da participação na Zona Euro”. Contudo, o ministro das Finanças fez questão de sublinhar que o Governo não vai “seguramente além de Bruxelas como não fomos em 2016”.

Sobre a execução do Programa Nacional de Reformas e as críticas endereçadas pela Comissão Europeia no início deste ano, o ministro do Planeamento relembrou que o PNR de 2016 foi considerado na altura “um documento ambicioso”. Pedro Marques garante que “o país está a cumprir de forma ambiciosa esse plano”, em várias áreas, nomeadamente nos mecanismos de contratação pública e no “fortíssimo perfil exportador da nossa economia”.

Pedro Marques referiu ainda que o Plano Nacional de Reformas de 2017 constitui uma atualização do que foi apresentado no ano passado. “A estratégia mantém-se, os pilares mantêm-se e estamos numa fase de execução já avançada dessa estratégia“, garantiu o ministro do Planeamento. Uma das principais prioridade continua a ser a reabilitação urbana, assim como a mobilidade internacional das mercadorias através dos portos e da ferrovia. Pedro Marques revelou ainda que o indicador avançado do investimento público mostra um aumento de 140%.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Programa de Estabilidade: Previsões não consideram impacto da recapitalização da CGD

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião