Portugal volta a emitir dívida a curto-prazo na próxima semana

IGCP quer levantar até 1.250 milhões de euros em bilhetes do Tesouro a três meses e a 11 meses na próxima quarta-feira. Dois dias depois a agência DBRS atualiza a notação da dívida portuguesa.

Portugal está de volta aos mercados de dívida na próxima semana. O Tesouro português pretende obter entre 1.000 milhões e 1.250 milhões de euros em bilhetes com prazos de três meses e 11 meses na quarta-feira, dia 19. Dois dias depois a DBRS atualiza a notação da dívida portuguesa.

Será a quarta operação de financiamento de curto prazo que a agência liderada por Cristina Casalinho realiza em 2017. Já obteve 4.250 milhões de euros nas três operações realizadas em janeiro, fevereiro e março.

Ainda esta quarta-feira a República financiou-se em 1.250 milhões de euros em obrigações do Tesouro a cinco e oito anos, num duplo leilão que marcou uma inversão de tendência na evolução dos custos de financiamento de Portugal. Pagou taxas de juros mais baixas face aos anteriores leilões comparáveis, contrariando o agravamento das taxas que o IGCP estava a verificar desde o início do ano.

Na próxima semana, na sexta-feira, a DBRS atualiza a notação da dívida portuguesa. A agência canadiana coloca o país num grau de investimento, o que permite a Portugal estar qualificado para o programa de compra de dívida pública do Banco Central Europeu (BCE), que tem ajudado no último ano a conter o risco do país no mercado secundário. Os analistas não esperam alterações da parte da DBRS.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal volta a emitir dívida a curto-prazo na próxima semana

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião