Trump: “O dólar está demasiado forte”. E o dólar respondeu

Uma frase de Donald Trump foi capaz de abalar o dólar que desvalorizou de imediato. O presidente dos Estados Unidos quer uma moeda mais fraca para ter maior vantagem competitiva.

O dólar está demasiado forte“. Foi esta a frase que Donald Trump disse ao Wall Street Journal e que recebeu resposta imediata dos mercados: o dólar caiu, tal como já tinha acontecido no passado. O presidente dos Estados Unidos tem acusado a China de manipular a sua moeda, mas em casa Trump também tem feito estragos. Em janeiro, pouco dias antes de tomar posse, disse que o dólar forte estava “a matar” a economia norte-americana e no final desse mês voltou a criticar a política monetária. Em todas essas ocasiões o efeito tem sido a queda do dólar face as restantes moedas.

Ainda não é certo que Trump renomeie Janet Yellen, a atual presidente da Reserva Federal, para continuar no posto de liderança da política monetária norte-americana. A avaliar pelas críticas que tem feito, o lugar de Yellen pode estar em perigo. Esta quarta-feira, em entrevista ao Wall Street Journal, Donald Trump voltou a criticar a estratégia dos EUA, criticando o dólar forte e mostrando uma preferência para a manutenção da taxa de juro baixa. Desde o final do ano passado que a Fed está a aumentar a taxa de juro, com a última subida em março.

Em relação a um cabaz das principais divisas, o dólar está a enfraquecer, tendo atingido um mínimo desde 30 de março. Este é o efeito pretendido pelo atual presidente dos Estados Unidos e os analistas preveem que o impacto pode afetar a longo prazo a moeda norte-americana. “É muito, muito difícil competir quando se tem um dólar forte e outros países estão a desvalorizar as suas moedas”, afirmou o presidente dos EUA. Ao contrário do que fez durante a campanha, Trump recusou catalogar a China de “manipulador da moeda”, revertendo a campanha que tinha vindo a fazer contra as autoridades chinesas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump: “O dólar está demasiado forte”. E o dólar respondeu

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião