Women in Tech, aqui a tecnologia é coisa delas

  • ECO
  • 13 Abril 2017

Plataforma dá a conhecer as mulheres empreendedoras que marcam pontos no campo da tecnologia. O próprio site que lhes dá espaço é um projeto de empreendedorismo no feminino que soma e segue.

Plataforma Women in Tech quer ser montra das mulheres que dão cartas na tecnologia no mundo. Foi fundada em Portugal, por uma portuguesa.D.R.

Liliana Castro dedica-se à comunicação e trata as inúmeras startups com as quais trabalha por tu. A proximidade com o mundo do empreendedorismo, frequentemente ligado à tecnologia, tornou visível a diferença no número de homens e mulheres ativos nesta área. Mas, mais do que isso, permitiu-lhe perceber o papel importante desempenhado pelas (poucas) mulheres. A aproximação da segunda edição do Web Summit em Lisboa espoletou a urgência de as colocar no foco ou, melhor, de as mostrar: Liliana não quer que as mulheres “passem ao lado desta montra”.

Pretende-se então o reconhecimento, mas os objetivos não ficam por aqui. Liliana antevê um movimento — a possibilidade de estas mulheres interagirem e de criarem novos projetos em conjunto. Embora, para já, todas as envolvidas se encontrem empregadas, Liliana espera ainda que a plataforma possa potenciar oportunidades de carreira, ao tornar as participantes mais visíveis também para os recrutadores.

Em apenas três semanas de lançamento da plataforma Portuguese Women in Tech, o número de perfis já cresceu de 10, as consideradas embaixadoras, para 20: entre os nomes estão empreendedoras, engenheiras, cientistas e até jornalistas. E a fundadora tem sido contactada para dar o seu testemunho sobre este projeto em vários eventos. Liliana acrescenta que, quando pensa no futuro, espera que o número de participantes suba “até chegar a todas as mulheres empreendedoras ligadas à tecnologia”. A tarefa será mais árdua caso a plataforma avance como planeado.

Quero criar uma ramificação para mulheres que não são portuguesas mas que contribuem para a evolução do ecossistema [das startups tecnológicas] a nível nacional.

Liliana Castro

Fundadora da plataforma Women in Tech

Por agora, os perfis existentes centram-se na carreira destas mulheres, disponibilizando alguma informação básica como a sua ocupação atual e anos de atividade, mas também perguntas mais intimistas como “Qual o melhor conselho que já recebeste?”.

Joana Araújo é engenheira e submeteu o seu perfil. Para ela, a importância desta iniciativa passa por fazer compreender que as mulheres “são capazes de tanto quanto eles”, especialmente na área do IT, que considera “mais fechada”.

Sílvia Coimbra também foi convidada, dado que é uma entusiasta da tecnologia desde que trabalha para a Farfetch, um dos atuais gigantes do e-commerce, assim como já esteve envolvida em projetos sociais com recurso ao online. Assumindo-se como uma “defensora da igualdade de géneros“, concorda que a visibilidade é o grande benefício da plataforma, pela inspiração que proporciona a outras mulheres mas também por permitir o reconhecimento da parte da comunidade masculina. “Quando pensamos em CEOs ou developers, as imagens que nos surgem são normalmente de homens, porque é aquilo a que estamos habituados. Mas a verdade é que as mulheres [ativas neste campo] existem e devem ser divulgadas”, considera, em conversa com o ECO.

Pode propor nomes para a plataforma através do preenchimento deste formulário.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Women in Tech, aqui a tecnologia é coisa delas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião