Governo admite fasear redução do IRS até 2019

O Executivo da António Costa admite que, se o aumento da progressividade do IRS ultrapassar a margem orçamental prevista para 2018, essa medida terá de ser faseada.

Catarina Martins admitiu, na segunda-feira, que o aumento do número de escalões de IRS poderá ter de ser feito em mais do que um Orçamento do Estado, uma vez que este aumento da progressividade do IRS custa dois mil milhões de euros. E o Governo está aberto a esta ideia, noticia o Público (acesso limitado) na edição desta terça-feira.

Fonte próxima do processo explica ao Público que, se a medida ultrapassar a margem orçamental prevista para 2018, então, “terá de ser faseada”.

A intenção do Governo é reverter as medidas implementadas por Vítor Gaspar em 2013, que eliminou três escalões de IRS, passando, assim, a haver cinco escalões, que se mantêm até hoje. Agora, o Executivo de António Costa planeia reduzir os impostos já no próximo ano.

Para já, o que está previsto no Programa de Estabilidade é uma verba de 200 milhões de euros, destinada a uma “medida de apoio a famílias de baixos rendimentos, com o objetivo de aumentar a progressividade” do IRS.

Mas estes 200 milhões não se destinam ao aumento do número de escalões, como fez questão de sublinhar a líder do Bloco de Esquerda, à saída do encontro com Marcelo Rebelo de Sousa, que recebeu os partidos na segunda-feira para analisar o Programa Nacional de Reformas e o Programa de Estabilidade. “O enorme aumento de impostos reside naquilo que foi a concentração em cinco escalões”, esclareceu Catarina Martins.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo admite fasear redução do IRS até 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião