Fitch mantém rating da REN após compra da EDP Gás

  • Lusa
  • 20 Abril 2017

Depois da Moody´s foi agora a vez da Fitch manter o rating da REN, após a recente compra pela empresa de 100% da EDP Gás. REN mantém rating acima do da República.

A agência de notação financeira Fitch reafirmou hoje o rating de BBB atribuído à REN – Redes Energéticas Nacionais, mantendo também a perspetiva “estável”, na sequência da compra de 100% da EDP Gás, foi hoje divulgado pela REN.

A REN salientou em comunicado que a Fitch é a segunda agência de notação financeira mundial, depois de a Moody’s ter emitido na semana passada uma avaliação no mesmo sentido, a manter quer o rating, quer a perspetiva, atribuída à REN após a recente compra da EDP Gás.

A notação do rating da REN continua assim um nível acima da avaliação da República portuguesa.

Com esta avaliação a REN mantêm-se como a empresa portuguesa com a melhor avaliação no conjunto das três maiores agências de rating mundiais, Fitch, Moody´s e Standard and Poor´s.

Na quinta-feira, a Moody´s manteve o ‘rating’ de crédito da REN e da sua subsidiária REN Finance B.V. em Baa3, depois do acordo com a EDP para a compra da empresa EDP Gás por 532,4 milhões de euros.

A agência de notação financeira mantém ainda o outlook (perspetiva) estável.

No dia 07 de abril, a empresa liderada por Rodrigo Costa fechou acordo com a EDP para a compra da empresa de distribuição de gás natural por 532,4 milhões de euros.

A EDP Gás detém a segunda maior rede de distribuição de gás natural em Portugal, na região litoral norte de Portugal, abastecendo 29 concelhos dos distritos de Porto, Braga e Viana do Castelo, com uma rede de 4.460 quilómetros.

Para financiar este investimento, o Conselho de Administração da REN decidiu recorrer a linhas de crédito e a um aumento do capital social da REN por novas entradas em dinheiro, que terá um encaixe previsto de até 250 milhões de euros.

A Moody’s também manteve o rating de crédito da EDP em Baa3, prevendo que a venda da EDP Gás tenha um impacto financeiro “neutro” na empresa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fitch mantém rating da REN após compra da EDP Gás

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião