Moody’s mantém EDP como investimento de qualidade

A reafirmação do rating surge no seguimento da venda da Naturgas e da OPA à EDP Renováveis, operações vistas pela agência de notação financeira como "consistentes" com a estratégia da elétrica.

A agência de notação financeira Moody’s reiterou a sua avaliação do rating de crédito da EDP, uma decisão que surge no seguimento da venda da Naturgas, em Espanha, e do lançamento de uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre a EDP Renováveis. A agência de notação financeira manteve a elétrica em qualidade de investimento ao reiterar o rating de Baa3 para a dívida de longo prazo da EDP, que corresponde ao último nível da categoria de investimento de qualidade.

A agência de rating Moody’s Investors Service (“Moody’s”) afirmou ainda a notação da sua subsidiária EDP Finance B.V. (“EDP Finance”) e da sua subsidiária espanhola Hidroelectrica del Cantabrico (“HC Energia”) em “Baa3”/”Prime-3”. Todos os ratings têm outlook estável.

“A afirmação reflete a visão da Moody’s de que as transações são coerentes com o Plano Estratégico 2016-20 da EDP e que tenciona aplicar o produto da venda de NED [Naturgas Energia Distribucion] que não sejam utilizados para adquirir EDPR para reduzir a dívida“, refere a nota da Moody’s, que acrescenta ainda que na sua visão, a conclusão das duas operações, tal como previstas, “teria apenas um modesto efeito negativo sobre o perfil de risco de negócio da EDP”.

A agência de notação financeira explica que como resultado da venda da Naturgas que contribuiu com 165 milhões de euros, ou 4% do EBITDA do grupo de 3,7 mil milhões de euros em 2016, a proporção dos ganhos da EDP das redes reguladas irá “diminuir ligeiramente”. No entanto, considera que “o perfil de risco geral do grupo permanecerá robusto”. A Moody’s acrescenta ainda que a aquisição a minoritários do capital da EDP Renováveis irá permitir à EDP aumentar a sua exposição ao setor das energias renováveis, algo que é “coerente com a sua estratégia de longo prazo, e a diversificação de lucros para além do seu núcleo ibérico.

Relativamente à OPA sobre a empresa liderada por Manso Neto, a Moody’s diz ainda que “quaisquer variações em torno dos valores de transação, incluindo o preço da oferta e a quantidade de ações adquiridas da EDP Renováveis, não seriam relevantes.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moody’s mantém EDP como investimento de qualidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião