Renováveis e queda do petróleo vão descer preços da energia “a prazo”, diz Mexia

CEO da EDP antecipa redução dos preços da energia "a prazo" perante o crescimento das energias renováveis e a queda das cotações do barril de petróleo nos mercados internacionais.

António Mexia, presidente da EDP, considera que as energias renováveis e a queda das cotações do barril de petróleo vão provocar uma descida dos preços da energia para os lares e empresas portuguesas “a prazo”.

“Estruturalmente havia já um impacto muito positivo das energias renováveis. Neste momento temos também uma descida histórica do mercado de petróleo. Ambos os elementos vão contribuir com certeza para a descida dos preços da energia elétrica a prazo de uma forma sustentada”, referiu António Mexia, depois de um encontro com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, no Palácio de Belém.

O presidente da EDP sublinhou que o preço da energia é ditado pelo mercado em concorrência. “Nós fazemos aquilo que é necessário para sermos competitivos”, declarou.

Estruturalmente havia já um impacto muito positivo das energias renováveis. Neste momento temos também uma descida histórica do mercado de petróleo. Ambos os elementos vão contribuir com certeza para a descida dos preços da energia elétrica a prazo de uma forma sustentada.

António Mexia

CEO da EDP

António Mexia frisou ainda que a EDP quer continuar a liderar o mercado de energia em Portugal, e lembrou que a companhia já tinha campanhas de reduções entre 4% e 5% quando foi anunciada uma mudança de preços de 3%.

Os preços do barril de petróleo têm estado sob pressão nas últimas semanas, devido a uma situação de desequilíbrio no mercado: a procura escasseia devido ao encerramento parcial de muitas economias; a oferta continua a inundar o mercado, apesar de o conjunto de países da OPEP+ ter decidido cortar a produção.

Esta segunda-feira o preço do crude cai mais de 25% em Nova Iorque, isto depois de há uma semana ter negociado pela primeira vez em valores negativos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Renováveis e queda do petróleo vão descer preços da energia “a prazo”, diz Mexia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião